Leite achocolatado, bolachas e cereais para crianças deixam de ter publicidade

A lei da publicidade vai apertar a partir do próximo mês de Outubro. As multas para os que infringirem a lei da publicidade ronda os 1.750 euros e 45 mil euros. Outros produtos que deixarão de ser publicitados a este público são também 90% dos cereais de pequeno almoço e 72% dos iogurtes que estão no mercado.

As bolachas e os leites com chocolate que estão à venda em Portugal vão deixar de ser alvo de campanhas de marketing em locais que sejam frequentados por menores de 16 anos, como escolas, parques infantis, cinema, redes sociais e programas de televisão ou de rádio, avança o jornal ‘Público’, esta quarta-feira, 21 de agosto.

A lei da publicidade, até então a mais permissiva, vai apertar a partir do próximo mês de Outubro. Outros produtos que deixarão de ser publicitados a este público são também 90% dos cereais de pequeno almoço e 72% dos iogurtes que estão no mercado. Já os refrigerantes que contêm edulcorantes vão continuar a ser publicitados.

O despacho publicado avança que a publicidade a estes produtos não pode transmitir a ideia de que os produtos são benéficos para a saúde dos jovens, além de não poderem associar o consumo à “aquisição de estatuto, êxito social, especiais aptidões, popularidade, sucesso e inteligência”.

A legislação foi publicada no ano passado, a 23 de abril, mas faltava este passo para que a lei pudesse ser aplicada a fundo, sete anos após o início das discussões na Assembleia da República. As multas para os que infringirem a lei da publicidade ronda os 1.750 euros e 45 mil euros.

Recomendadas

Movimento cívico alerta para consequências da exploração de lítio na Serra d’Arga

A ação, promovida pelo Movimento de Defesa do Ambiente e Património do Alto Minho, pretende sensibilizar para a “calamidade da exploração mineira massiva” na serra d’Arga e “parar” um projeto que “põe em causa 20%” daquele território.
greve_motoristas_materias_perigosas_camionistas_3

Fisco suaviza regras da tributação autónoma das ajudas de custo pagas por transportadoras

Numa informação vinculativa agora publicada, a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) precisa que “sendo tais gastos [as ajudas de custo] efetivamente faturados aos clientes (ainda que por inclusão no montante total debitado) não ficam sujeitos à tributação autónoma”, prevista no Código do IRC.

Aluguer de quartos: preços médios sobem mas procura não se ressente

“Este estudo aponta uma tendência clara: apesar da notória subida do preço médio dos quartos para arrendar, a procura não parece ressentir-se. Antes pelo contrário”, sublinha Andreia Pacheco, brand manager do OLX Portugal.
Comentários