Leitura é arma poderosa contra ignorância

Estudo revela que os hábitos de leitura se refletem no bom aproveitamento escolar. Nunca é demais lembrar.

A leitura ocupa o quinto lugar  nos tempos livres das crianças portuguesas, com apenas 26% das referências. O número consta de um estudo realizado pelo Plano Nacional de Leitura 2027 em parceria com a McDonald’s Portugal e mostra quão longe estamos de saber aproveitar aquela que é uma poderosa ‘arma’ contra a ignorância.

Em defesa da leitura, a 23 de abril, Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor, alunos e professores partiram da Praça Luís de Camões rumo aos armazéns do Chiado, espalhando a palavra, a alegria e a música pelas ruas de Lisboa.

Instituída pela Unesco em 1995, a data pretende promover o livro, os autores, os ilustradores e os editores e presta homenagem à obra de escritores, como Shakespeare e Cervantes, falecidos em abril de 1616.

“ManiFESTA-te pela leitura” foi o nome dado ao desfile. Teresa Calçada, Comissária do Plano Nacional de Leitura 2027, referiu-se à leitura como “uma causa de todos nós”. A professora, que esteve na origem da criação das redes de bibliotecas municipais e escolares, defendeu que “ler é algo que não se pode perder”. E, embora aplaudindo qualquer tipo de leitura em qualquer suporte, ergueu bem alto a voz, proclamando: “Viva o livro em papel!”

O documento em questão, cuja sondagem foi conduzida pela empresa de estudos de mercado GFK, junto de um universo de mil pais com filhos entre os 5 e os 15 anos, revela também que 86% das nossas crianças e jovens lê, pelo menos, uma vez por semana. E que os livros de aventuras e os clássicos infantis em suporte papel são os preferidos das crianças.

A principal conclusão, porém, é que a percentagem de crianças com bom aproveitamento escolar é superior junto das crianças com hábitos de leitura. Quem lê não tem dúvidas sobre isso. Como podia ler-se no cartaz, orgulhosamente exibido por aquela professora que descia a rua Garrett: “Com a leitura chegamos onde queremos sem precisar de sair de onde estamos”.

Artigo publicado no “Educação Internacional” do Jornal Económico a 10-05-2019

Ler mais
Recomendadas

Novo aeroporto do Montijo: Câmara da Moita dá parecer negativo ao Estudo de Impacte Ambiental

“O município da Moita fundamenta a sua oposição ao projeto num conjunto de impactes negativos no território, no ambiente, na saúde, na segurança pública e nos valores culturais e patrimoniais existentes”, afirmou a autarquia.

Uma caixa de preservativos custa 153 euros na Venezuela. Saúde pública está em causa

A crise económica e política que se sente no país de Maduro levou a uma escassez geral de produtos e, em circunstâncias favoráveis, alguns destes bens nunca se considerariam preciosos, como medicamentos, géneros alimentares e contracepção.

Qual o truque por trás da fortuna de 87,4 mil milhões de euros de Bill Gates?

Apesar de ter descido uma posição na lista dos multimilionários, a fortuna de Gates aumenta a cada minuto e o co-fundador da Microsoft permanece em modo de criação de riqueza.
Comentários