Libertação de provisões para crédito impulsionam lucros do 3º trimestre dos bancos dos EUA

Ações e banca de investimento por um lado e a libertações de provisões para crédito por outro ajudaram resultados dos bancos norte-americanos do 3ºtrimestre. Hoje as atenções estiveram voltadas para mais contas na banca americana, com Bank of America, Us Bancorp, Wells Fargo, Morgan Stanley e Citigroup. Ontem foi a vez do JP Morgan,

Hoje as atenções do mercado norte-americano estiveram voltadas para mais contas na banca americana, com os Bank of America, Us Bancorp, Wells Fargo, Morgan Stanley e Citigroup a apresentarem as contas do terceiro trimestre.

O Bank of America, o Citigroup, o Morgan Stanley e o Wells Fargo apresentaram nesta quinta-feira resultados acima do esperado pelo mercado.

O Citigroup elevou o lucro em 48% na comparação anual do 3º trimestre. O banco obteve um lucro líquido de 4,6 mil milhões de dólares no terceiro trimestre de 2021. O resultado equivale a um lucro por ação de 2,15 dólares, bem acima do consenso de 1,71 dólares.

O Citigroup informou ainda que registou receitas de 17,2 mil milhões de dólares, caindo 1% face ao período homólogo.

O resultado líquido do Citi foi impulsionado por fortes receitas de trading. As receitas com o trading de obrigações (renda fixa) e de ações superaram as estimativas fixando-se em 3,18 mil milhões de dólares e 1,23 mil milhões de dólares, respectivamente. Acima do que esperavam os analistas.

A receita de negociação de ações cresceu 40% num ano. A receita do banco de investimento teve uma evolução semelhante.

Por sua vez, o Bank of America (BofA) aumentou o lucro líquido em 58% no terceiro trimestre de 2021, face a igual período de 2020. O banco reportou lucros de 7,7 mil milhões de dólares, o equivalente a 0,85 dólares por ação, em termos ajustados, acima do consenso de analistas que estimavam um lucro por ação de 0,71 dólares. O banco beneficiou da libertação de provisões para crédito depois de ter feito menos imparidades para crédito em incumprimento do que o esperado e ainda beneficiou de receitas recorde com as comissões de advisory e de gestão de ativos. O BofA reportou receitas de 22,8 mil milhões de dólares, acima dos 20,3 mil milhões um ano antes e acima do consenso de analistas. A receita da margem financeira avançou 10%, para 11,1 mil milhões de dólares.

Já o Morgan Stanley teve um lucro no 3º trimestre de 3,71 mil milhões de dólares, equivalente a 1,98 dólares por ação. O resultado foi superior às expectativas dos analistas que estimavam 1,69 dólares por ação. O lucro subiu 36% em relação ao mesmo período em 2020, graças ao aumento das receitas com operações de fusões e aquisições.

A área da negociação no mercado de ações e a banca de investimento impulsionaram as contas.  As receitas do banco americano subiram 26%, para 14,75 mil milhões de dólares, também acima da previsão de 13,93 mil milhões de dólares.

Por sua vez o Wells Fargo beneficiou de um produto bancário (comissões, margem e trading) que superou as estimativas, apesar de a componente de margem financeira ter ficado aquém. O quarto maior banco dos EUA reportou um lucro trimestral de 5,12 mil milhões de dólares, ou 1,17 dólares por ação, o que compara com 3,22 mil milhões de dólares um ano antes.

O banco deve ao controle de custos e à reversão de provisões para riscos de crédito a melhoria do seu resultado.

Nesta quinta-feira também o U.S. Bancorp apresentou um resultado, que segundo os analistas do BCP supera estimativas do 3.ºtrimestre. O U.S. Bancorp revelou que os lucros no terceiro trimestre aumentaram devido a menores imparidades para perdas de crédito, impulsionadas por uma libertação de provisões à medida que a economia global melhorou, e ainda pela boa qualidade da carteira de crédito e respectivos colaterais.

O banco de Minneapolis divulgou nesta quinta-feira um lucro líquido atribuível à instituição de 2,03 mil milhões de dólares, em comparação com 1,58 mil milhões de dólares no mesmo período do ano passado. O que equivale a um resultado de 1,30 dólares por ação, acima dos 0,99 dólares por ação no ano anterior, e acima das estimativas dos analistas.

A receita líquida de juros (margem) foi de 3,17 mil milhões de dólares, abaixo dos 3,23 mil milhões de dólares no mesmo período do ano passado.

Ontem, o JP Morgan inaugurou a saison dos resultados dos bancos dos Estados Unidos. O banco norte-americano JP Morgan registou lucro de 11,7 mil milhões de dólares no terceiro trimestre deste ano, o equivalente a 3,74 dólares por ação. O resultado ficou acima do lucro de 9,4 mil milhões de dólares reportado no mesmo período do ano anterior e acima das expectativas dos analistas. De acordo com a agência Dow Jones, o banco liderado por Jamie Dimon beneficiou de uma libertação de provisões para crédito no valor de 2,1 mil milhões de dólares. A receita da instituição financeira foi de 29,6 mil milhões de dólares, quase ao mesmo nível dos 29,3 mil milhões de dólares registados no terceiro trimestre de 2020. Aqui as estimativas eram superiores.

Em Wall Street, o Citigroup viu as ações subirem 0,75%; o Morgan Stanley fechou em alta de 2,52%; e o Bank of América viu a cotação disparar 4,52%.

Ao contrário o Wells Fargo caiu 1,54% e o US Bancorp recuou 2,25%.

Recomendadas

Paulo Macedo: “Há uma corrente nacional contra as empresas grandes”

Segundo o líder do banco público, as grandes empresas é que “são maioritariamente exportadoras” e as “que podem fazer mais em termos de investigação”, e quanto às médias o seu objetivo é “ganhar dimensão para poderem competir”.

Sindicatos da banca dizem que proposta de salários é “miserabilista”

No caso do Banco de Portugal, o Montepio, ou a Oitante, estas instituições “fazem depender a atualização salarial das suas convenções do resultado obtido na revisão do ACT [acordo coletivo de trabalho] do sector bancário”.

Bancos centrais devem agir com “prudência, flexibilidade e firmeza”, diz Mário Centeno

“Numa fase de recuperação, mas com incerteza, a atuação e comunicação dos bancos centrais deve pautar-se pela prudência, flexibilidade e firmeza”, disse o governador do Banco de Portugal na intervenção inicial no XXXI Encontro de Lisboa entre os Bancos Centrais dos PALOP.
Comentários