Libertem o país

“O país espera a recuperação das exportações, das indústrias, do turismo, mas a pandemia ainda cá está. Não vamos ter condições para exportar mais, o défice externo vai manter-se elevado, a dívida pública e privada desmesurada a pressão ao nível das reformas alta e a natalidade baixa. Este OE podia mas não vai ajudar.”

O Orçamento do Estado de 2022 deveria servir para “libertar” o país. Contudo, o mindset da esquerda política nunca foi o crescimento, tanto mais que estamos perante uma esquerda moribunda. Mas, ainda assim, a solução do mais inteligente dos políticos nacionais, António Costa, é governar à esquerda.

Não se libertou dos grilhões e insiste em governar como se nada de extraordinário e disruptivo tivesse acontecido. A pandemia levou o país a parar, negócios a fechar, lay-off para um milhão de trabalhadores contribuintes, e à perda irreparável do crescimento interno via turismo e exportações.

Hoje, passado ano e meio do início da pandemia, houve um levantamento das restrições, mas muitos consideram que será temporário. Atualmente, todos ignoram a questão da dívida pública e privada que impede o crescimento.

Em contraste, temos mais burocracia, não se consegue uma reunião com um chefe das Finanças ou a aprovação de uma mera licença camarária, enquanto a obtenção do passaporte com urgência obriga a uma madrugada em frente aos serviços.

Dentro de duas semanas será entregue o documento fundamental para a governação de 2022, e do lado do Governo continua o marketing. Claro que a classe média não verá os impostos baixar porque não existe classe média. E se existisse, a promessa seria falsa.

O que faz o Governo é dar sinais simbólicos com a criação de novos escalões de IRS, enquanto é prometido um aumento de reformas para os miseráveis, que lhes dará para um almoço mensal suplementar.

Para quem poupou, assistimos ao teste para ver como sairia o projeto de englobamento dos rendimentos prediais e financeiros. Ficou o aviso aos senhorios de que são o bode expiatório. Reduzir impostos ou aumentar os benefícios fiscais está fora da equação.

Diga-se o que se disser, este será o OE da continuidade até porque nada mudará enquanto não houver reformas de fundo no sistema eleitoral, no sistema fiscal, na redistribuição da riqueza gerada e nas liberdades, deveres e garantias inscritos na Lei Fundamental.

Tivemos as recentes eleições autárquicas em que todos perderam. O PS continua a ser o partido mais votado mas perdeu porta-aviões, o PSD teve poucos votos, a CDU teve sucesso em Lisboa mas derrapou no resto do país, o Bloco está em dificuldades para se afirmar, a IL não deixa de ser apenas uma promessa, o Chega ficou longe do que esperava e o PAN está a desaparecer.

Todos foram ao ato eleitoral para fazer a prova de vida, mas nesta ressaca apenas António Costa tem a consciência de que consegue uma eventual maioria absoluta. Bem pode, antes da entrega e discussão do OE de 2022, agitar a bandeira das previsões de crescimento económico de 4,6% para este ano e de 5,5% para o próximo, quando é o próprio governador do Banco de Portugal que vem alertar que esta euforia acabará exatamente no próximo ano e se começará a derrapar e a derrapar num plano cada vez mais inclinado.

O país espera a recuperação das exportações, das indústrias, do turismo, mas a pandemia ainda cá está. Não vamos ter condições para exportar mais, o défice externo vai manter-se elevado, a dívida pública e privada desmesurada a pressão ao nível das reformas alta e a natalidade baixa. Este OE podia mas não vai ajudar.

Recomendadas

O que queremos nós?

A lista de prioridades que aqui elenco exige novas fórmulas de governança, capazes de ultrapassar as lógicas partidárias e as negociações ‘orçamentais’, porque desligadas de uma visão e estratégia claras, com reflexos numa limitada capacidade transformacional.

“Ó Pátria Mãe”

Este incidente é, sobretudo, revelador de algum mal-estar existente nas Forças Armadas e também de uma dificuldade que permanece no seio do Exército, ao nível dos oficiais superiores, na relação com as designadas Forças Especiais.

Uma carta natalista de Budapeste

“Família como chave de Sustentabilidade” foi o tema da 4ª Cimeira Demográfica de Budapeste, em Setembro. À data, nenhum país do continente europeu regista uma taxa de natalidade perto do nível de reposição geracional.
Comentários