Líbia apela à ONU para ter soluções eficazes contra a guerra civil

Há cerca de cinco anos que a guerra civil marca os dias dos líbios. Na ONU, o seu representante falou com António Guterres e pediu para que a organização patrocine uma solução estável e duradoura para o conflito.

Esam Omran Al-Fetori/Reuters

O representante da Líbia nas Nações Unidas à Líbia disse que os líbios estão cansados ​​de etapas temporárias assumidas pela comunidade internacional para solucionar problemas que se arrastam há anos: “Quaisquer que sejam as soluções e iniciativas propostas, os líbios estão cansados ​​das etapas temporárias e querem soluções que levem a uma constituição permanente e a eleições “, disse o embaixador Taher El-Sonni.

A declaração foi feita durante um encontro com o secretário-geral da ONU, António Guterres, à margem da 75ª sessão da Assembleia Geral da organização, de acordo com um comunicado da missão permanente da ONU na Líbia.

Por sua vez, Guterres destacou o seu empenho em apoiar o processo político e a estabilidade da Líbia e a sua vontade em acelerar a nomeação de um novo enviado especial do secretário-geral à Líbia (que sucederá a Ghassan Salame, que renunciou por motivos de saúde em março).

A Líbia está dilacerada pela guerra civil desde o derrube de Moammar Gaddafi em 2011. O novo governo foi criado em 2015 sob um acordo liderado pela ONU, mas os esforços por um acordo político de longo prazo fracassaram devido à ofensiva militar das forças do general Khalifa Haftar.

Mas o pior ainda estava para vir: a comunidade internacional dividiu-se no apoio entre as duas fações e o país entrou em guerra civil – mais uma – sem que haja evidências de uma trégua duradoura. O facto de uma das partes ser liderada pela ONU e outra pela França (de forma pouco clara) fez com que os problemas deixassem de ter solução.

Ao mesmo tempo, a Líbia passou a ser palco das atuações de grupos marginais organizados, com interesses no transporte ilegal de refugiados para a Europa, o que fez com que um possível entendimento com a União Europeia para a solução dos problemas internos acabasse por ficar bloqueada.

Há pouco mais de uma semana, a Turquia, que apoia o governo central, afirmou que o “rebelde” Haftar sofreu uma inultrapassável derrota militar e que Ancara está pronta para apoiar aquele que considera o governo legítimo do país. Este apoio passa pelo suporte ao regresso da exploração do petróleo e pela reorganização do exército nacional, nomeadamente.

Ora, para a União Europeia, essa aproximação entre a Turquia e a Líbia – num movimento que também tem a vetr com o conflito existente no Mediterrâneo Oriental entre Ancara e Atenas – não será pacífica. É bem possível, como alega o embaixador Taher El-Sonni, que a Líbia ainda esteja muito longe de atingir uma situação de paz sustentada.

Ler mais
Recomendadas

Britânicos gastam 243 milhões de euros em apostas sobre próximo presidente norte-americano

Valor apostado nestas eleições norte-americanas é, até agora, o maior montante combinado entre os quatro eventos desportivos mais apostados: combate de boxe entre Floyd Mayweather e Conor McGregor em 2017, Mundial de Futebol de 2018, a corrida de cavalos Grand National de 2019 e o Super Bowl de 2020.

Áustria impõe recolher noturno e fecho de hotéis e restaurantes

Escolas e creches, assim como lojas e cabeleireiros vão permanecer abertos, adiantou, mas as escolas secundárias e universidades regressam ao ensino à distância.

Candidata a prefeita do Rio de Janeiro admira Marcelo Rebelo e tem Lisboa como modelo

Filha de imigrantes portugueses, a candidata foi criada no bairro da Penha, zona norte do Rio de Janeiro, e lançou-se como uma alternativa da esquerda progressista pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT), defendendo o diálogo e a participação popular na gestão.
Comentários