Licínio Pina: “É preciso que o crédito seja apreciado neste conceito de economia circular”

Para o presidente do Crédito Agrícola, “o banco tem aqui um importante papel, ao impedir que se comentam crimes ambientais ao não financiar estas empresas que não cumprem certos critérios”.

Cristina Bernardo

O presidente do conselho de administração do Crédito Agrícola, Licínio Pina, antevê que num período de dez anos a banca estará dotada de competências para avaliar novos critérios na concessão de financiamento, que incluem critérios ambientais.

No observatório “Economia circular: Desafios e oportunidades para a economia portuguesa”, organizado pelo Crédito Agrícola em parceria com o Jornal Económico, Licínio Pina defendeu a necessidade da banca estar “sensibilizada para estas questões” da economia circular.

“É preciso que o crédito seja apreciado neste conceito de economia circular e não linear. Temos que olhar em termos de ambiente: o que é que a empresa faz aos seus desperdícios? Reutiliza-os? Simplesmente coloca-os no aterro? Essas questões são absolutamente essenciais para o futuro”, disse esta terça-feira.

Para o presidente do Crédito Agrícola, “o banco tem aqui um importante papel, ao impedir que se comentam crimes ambientais ao não financiar estas empresas que não cumprem certos critérios”. “Daqui por dez anos, os bancos estarão dotados da capacidade de analisar essas atividades sobre uma empresa”, anteviu.

Já a vice-presidente da direção da Associação Smart Waste Portugal, Ana Isabel Trigo de Morais, alertou para a necessidade de criar “infra-estruturas para poder gerir e recolher os resíduos para poder recolher e transforma-los em matéria-prima”.

“Precisamos de reguladores com competência, capacidade e recursos para regular. É fundamental que a regulação funcione se não não temos um quadro equilibrado da atuação de todos”, explicou, acrescentando que os “custos reais de uma regulação que fique aquém daquilo que deveria ser o seu papel”.

Relacionadas

Economia circular: maior desafio é reduzir custos do regresso de matérias-primas ao mercado

Para o presidente da Agência Portuguesa do Ambiente, o papel do Estado é ser um agente facilitador deste processo, destacando neste sentido o plano para a economia circular.

Economia circular: “Num período de seca, ter água armazenada, quanto é que isso vai valer?”

Presidente da Águas do Tejo Atlântico salientou a necessidade de “ter o país preparado para dar resposta” à escassez de recursos, enquanto o presidente do Crédito Agrícola defendeu que o modelo da banca terá de se adaptar aos novos desafios, com a sustentabilidade como pano de fundo.

Economia circular: oportunidades e desafios em debate. Veja aqui em direto a segunda parte

O Observatório “Economia Circular: Desafios e Oportunidades para a Economia Portuguesa”, decorre esta terça-feira, dia 23 de outubro, na Sala Ajuda III, do Pestana Palace Lisboa, em Lisboa. Assista ao evento em direto.
Recomendadas

Dados da ‘fintech’ do grupo Alibaba vão ser integrados no banco central chinês

A imprensa chinesa informou anteriormente que muitos dos utilizadores do serviço de pagamento receberam um aviso através da aplicação móvel, instando-os a aceitar os novos termos de utilizador, que incluem partilhar as suas informações de crédito com o Banco Popular da China (banco central).

Bancos do sul da Europa mais expostos a empresas com riscos devido a alterações climáticas

O Banco Central Europeu (BCE) advertiu hoje que os bancos dos países do sul da Europa, como a Grécia, Chipre, Portugal, Espanha e Malta, estão mais expostos a empresas com riscos mais elevados devido às alterações climáticas.

Caixa não pode “descurar o rigor” nem cometer “erros” após boas notícias, diz Paulo Macedo

“Se a Caixa se mantiver competitiva, se a Caixa assegurar uma boa ‘governance’, se a Caixa mantiver um rigor de crédito e melhorar as suas práticas e cada vez tiver mais próxima do cliente, se não fizer o oposto disto, eu acho que apesar do negócio bancário estar muito difícil, e dos proveitos ‘core’ bancários preverem-se estar estagnados, a Caixa tem uma boa base para prosseguir o seu caminho”, disse o CEO da CGD.
Comentários