Liga de clubes recusa acusações do Benfica e defende-se com plano de retoma

Em comunicado, o organismo liderado por Pedro Proença esclareceu o porquê de ter sido recusada a autorização para a presença limitada de convidados no camarote presidencial do Estádio da Luz, para o encontro de hoje do Benfica com o Moreirense, para a segunda jornada da I Liga.

Presidente da Liga Portugal, Pedro Proença

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) recusou-se hoje a “esgrimir acusações públicas” com o Benfica, defendendo que o plano de retoma das competições não contempla “a presença de sócios ou adeptos” nas tribunas presidenciais dos estádios.

Em comunicado, o organismo liderado por Pedro Proença esclareceu o porquê de ter sido recusada a autorização para a presença limitada de convidados no camarote presidencial do Estádio da Luz, para o encontro de hoje do Benfica com o Moreirense, para a segunda jornada da I Liga.

“A Liga Portugal remeteu para a Direção-Geral da Saúde o plano [de retoma] em causa e não recebeu daquela entidade qualquer reparo ou recomendação de melhoria ao documento”, refere a LPFP, recordando que o documento “foi elaborado em conjunto” com os departamentos médicos de todos os clubes profissionais.

De acordo com a LPFP, ficou definido, no ponto 2.6 do anexo I do plano retoma, que as tribunas presidências dos estádios não podem exceder “uma lotação máxima de 50%” e que devem ser garantidos lugares aos “elementos regulamentarmente previstos para a equipa visitante”, a “dois elementos da Federação Portuguesa de Futebol (observador e observador de seleções”, bem como a “representantes da Liga Portugal em funções ao jogo”.

Desta forma, a LPFP defende que fica “claro que na ocupação da tribuna presidencial, em nenhum momento se considerou a presença de sócios ou adeptos, mas sim o estipulado regulamentarmente e a orientação deste espaço para a presença de entidades regulamentares e/ou protocolares”.

“Qualquer interpretação distinta da que aqui está descrita é abusiva e desenquadrada daquilo que ficou acordado com as sociedades desportivas”, manifestou a Liga de clubes, salientando que “em relação às considerações expressas no comunicado hoje publicado pelo Sport Lisboa e Benfica, Futebol SAD, a Liga Portugal, como tem sido seu tom ao longo das últimas épocas, não irá esgrimir acusações públicas com um dos seus associados”.

O Benfica anunciou hoje que não teve autorização por parte da Direção-Geral da Saúde (DGS) para a presença limitada de convidados no camarote presidencial para o encontro de hoje da I Liga com o Moreirense, criticando a Liga de futebol de “lamentável incúria”.

“Consideramos absolutamente inadmissível e lamentável que, afinal, a Liga, numa recorrente demonstração de incompetência e incúria por parte dos seus principais responsáveis, não tenha validado junto da DGS e entidades competentes as normas que definiu e transmitiu como seguras aos clubes no Manual das competições oficiais”, afirmaram os ‘encarnados’, em comunicado divulgado no sítio oficial.

O Benfica adianta ainda que “a Liga, o seu presidente e os seus principais dirigentes responsáveis pela organização e gestão das competições devem assumir a plena responsabilidade pelo nível de amadorismo que revelam, ao definirem no Manual da Liga normas e orientações expressas que não foram devidamente validadas junto das autoridades competentes, nem informando atempadamente os clubes por essa falha, prejudicando assim mais uma vez a imagem do futebol português”.

Os ‘encarnados’ recebem hoje o Moreirense, a partir das 18:30, em encontro da segunda jornada da I Liga de futebol.

Ler mais
Recomendadas

F1. Eleven Sports diz ter ganho mais subscritores com cobertura “sem precedentes” do Grande Prémio de Portugal

“O regresso da F1 a Portugal foi absolutamente histórico e não podíamos estar mais gratos por ter feito parte deste acontecimento. Apesar das normas impostas pela pandemia, que foram de facto desafiantes, preparámos uma operação sem precedentes”, contou gestor da Eleven Sports Portugal ao JE.

Arsène Wenger alerta: criação da Superliga europeia “destruirá a Premier League”

Quando questionado sobre se a criação da superliga europeia é uma decisão empresarial, Wenger responde que “atualmente vivemos um período onde os donos do clube são também eles investidores, ou seja, o principal objetivo deles é fazer dinheiro, e a superliga é uma maneira de o fazer”.

‘Pay per view’ da Premier League não convence adeptos e rende apenas cinco milhões de euros

Nenhum dos nove encontros excedeu os 100 mil espectadores, sendo que três destes ficaram a baixo da média mínima pretendida de 10 mil espectadores. Face aos números registados e, sem a expectativa que estes aumentem significativamente, a PL é forçada a repensar o custo por jogo, como forma de alcançar uma maior audiência durante o próximo mês.
Comentários