PremiumLiga mundial de faculdades de Direito vem morar para Lisboa

A capital portuguesa vai ser a nova sede da Law Schools Global League, que deixou a itinerância para se fixar na Universidade Católica.

No mapa mundo das faculdades de direito, há um ‘pin’ que, a partir de agora, aponta diretamente para Lisboa: o novo endereço da Law Schools Global League, a maior rede mundial do setor. A presidência era rotativa e a sede ia mudando, tendo já passado por Tilburg, nos Países Baixos, e Madrid, na vizinha Espanha. Agora fixa-se definitivamente na Universidade Católica Portuguesa, no campus da Palma de Cima, revelou Gonçalo Matias, diretor da Católica Global School of Law ao Jornal Económico.

O professor que também é copresidente da Law Schools Global League, explica-nos que as escolas membros da rede partilham valores e objetivos, muito assentes na inovação e internacionalização do ensino do Direito. Por esta razão, salienta: “boa parte das parcerias e intercâmbios são estabelecidos na Liga. Isto permite que os alunos das nossas escolas tenham uma experiência académica de alto nível noutro país, numa das escolas parceiras, ou que frequentem a escola de verão da Liga”. Para os alunos este é o maior ganho.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPedro Santa Clara abre escola digital de vanguarda

Na escola 42, não há professores, nem avaliação, mas as aulas são presenciais. Os alunos não pagam. O primeiro curso arranca em fevereiro de 2021 e as candidaturas já estão abertas. O Jornal Económico foi conhecê-la.

Ensino Superior destina 7% das vagas para emigrantes e familiares

O concurso nacional de acesso ao ensino superior, cuja primeira fase arranca a 7 de agosto, tem 3.599 vagas para emigrantes, disponibilizadas por 107 instituições em cerca de 5.000 cursos.

CDS-PP pede explicações ao Governo sobre abandono escolar: “Vai seguir as recomendações do Tribunal de Contas?”

O Tribunal de Contas diz que não é possível conhecer os reais números do abandono escolar em Portugal, devido a fragilidades no sistema de recolha de dados e de monitorização, lacunas que aconselha a resolver. A deputada Ana Rita Bessa quer ministro Brandão Rodrigues no Parlamento.
Comentários