PremiumLisboa aguarda novo aeroporto há mais de 50 anos

A última opção é o aeroporto complementar do Montijo, mas o processo está ainda em fase de consulta pública, e pode sofrer um retrocesso.

Cristina Bernardo

Está há décadas para ser construído, aliás, desde que Portugal ainda não vivia em regime democrático. Já teve várias localizações preferenciais, assumidas, irrevogáveis, mas a verdade é que nunca saiu do papel. O novo aeroporto internacional de Lisboa está há meio século para sair do papel, mas já fez correr toneladas de tinta.

A maior companhia aérea da altura, a norte-americana TWA, já faliu. Entretanto, surgiu, em força, o fenómeno das low cost e a Portela tem aguentado de forma isolada o acréscimo de tráfego de passageiros. Os governos foram mudando ao sabor dos votos e das conjunturas, mas o novo aeroporto da capital nunca passou de um projeto. Entretanto, diversos foram os alvos geográficos para a nova infraestrutura: Rio Frio, Ota, Alcochete, Alverca. Uma panóplia de sugestões, com milhões de euros investidos em estudos, mas sem nenhuma resolução prática.

Artigo publicado na edição semanal de 23 de agosto de 2019, do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Carlyle avalia venda de posição na portuguesa Logoplaste

De acordo com a agência, o grupo já contactou o Barclays Plc e o Goldman Sachs para se aconselhar sobre o negócio.

Novo Banco: GamaLife, antiga GNB Vida, recusa “qualquer relação” com Lindberg

Previamente conhecida como GNB Vida, a GamaLife garante não ter qualquer relação com Lindberg e adianta ainda que “o envolvimento da Apax Partners na aquisição da GamaLife só começou após os problemas amplamente divulgados do Sr. Lindberg, quando já era bastante evidente que ele não seria capaz de completar esta transação“.

Toshiba retira-se oficialmente do negócio dos portáteis

A Toshiba já tinha vendido 80,1% do seu negócio de PCs à Sharp, ficando com uma participação na nova marca criada, a Dynabook, mas agora entregou o resto das ações da empresa.
Comentários