Lisboa suspende pagamento do estacionamento até 28 de fevereiro. EMEL continuará a fiscalizar carros em passeios e passadeiras

Os dísticos – tanto de residentes como de comerciantes – que caducassem entretanto tenham a data de validade prolongada até 31 de março de 2021.

A Câmara Municipal de Lisboa (CML) informou este domingo que vai suspender o pagamento do estacionamento automóvel na via pública na capital a partir de amanhã. É possível estacionar gratuitamente até ao próximo 28 de fevereiro, segundo a autarquia.

A decisão prevê que os residentes de Lisboa que tenham dístico possam estacionar gratuitamente em qualquer parque da EMEL (Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa) e que os dísticos – tanto de residentes como de comerciantes – que caducassem entretanto tenham a data de validade prolongada até 31 de março de 2021.

Porém, os fiscais da EMEL “vão continuar a salvaguardar a qualidade do espaço público e a mobilidade dos peões, fiscalizando o cumprimento do código da estrada, nomeadamente no que diz respeito ao estacionamento no passeio ou na passadeira”, conforme salvaguardou a CML.

O cancelamento dos parquímetros na cidade teve ‘luz verde’ em Assembleia Municipal, depois de na quinta-feira a Câmara de Lisboa ter aprovado a proposta com os votos favoráveis do PSD, CDS, Bloco de Esquerda e PCP e os votos contra do PS. A medida segue, assim, aquela que foi tomada a 16 de março de 2020 (prolongando-se até 11 de maio do ano passado), aquando do primeiro confinamento geral.

Recomendadas

Como saber a quem pertence uma referência multibanco?

Fique a par de tudo sobre a chamada referência multibanco, utilizada para realizar pagamentos, e descubra a quem pertence uma determinada entidade.

Atestado de residência: para que serve e como obter?

Se lhe for solicitado um atestado de residência sabe como o pode obter? Descubra aqui em que casos pode ser necessário e o que fazer para adquirir.

União de facto e casamento: quais as diferenças em termos de direitos?

Ouviu dizer que hoje em dia a união de facto produz os mesmos direitos do casamento? Não é verdade. Descubra aqui todos os contornos deste regime.
Comentários