Lisboa vai ter mais bicicletas partilhadas e mais autocarros da Carris no próximo ano

A Carris quer transportar 148 milhões de passageiros no próximo ano e vai adquirir 95 novos autocarros. Já a rede Gira vai passar a contar com mais de mil bicicletas partilhadas.

Rafael Marchante/Reuters

Depois da polémica entre a Câmara Municipal de Lisboa e a empresa de fabrico de bicicletas Órbita, que remonta a abril, a capital portuguesa vai ter mais bicicletas públicas partilhadas na rua em 2020. A proposta do orçamento municipal apresentada esta quarta-feira, 16 de outubro, na Câmara Municipal de Lisboa conta com um reforço da rede Gira em novas bicicletas e mais estações na cidade.

Na proposta apresentada por João Paulo Saraiva, vereador das Finanças da CML, a cidade vai contar com 960 novas bicicletas para os cidadãos partilharem e 60 novas estações. No início do ano, o sistema das bicicletas partilhadas da Gira apenas dispunha de 296 operacionais e de 34 estações em funcionamento.

Com o concurso ainda a decorrer, esta proposta vai permitir que a cidade de Lisboa passe a ter um total de 1.256 bicicletas e de 94 estações de estacionamento para esta mobilidade suave. O vereador das Finanças assumiu que o compromisso da autarquia é que “exista capacidade financeira para aumentar o número de bicicletas e estações” disponíveis para os cidadãos que queiram adotar a prática sustentável.

A expansão da rede de bicicletas partilhadas e a aposta nesta mobilidade suave vai originar ainda a criação de novas ciclovias, num investimento de 21,9 milhões de euros e da reabilitação de pavimentos e acessibilidade pedonal num financiamento total de 13,3 milhões de euros para o próximo ano. A aposta em mais estacionamento para automóveis também vai acontecer, com 10 mil lugares em 2020 e um total de 17.685 lugares ainda este ano.

Já a empresa pública Carris também vai ver o número de veículos disponíveis aumentar. A CML garante que a aposta nos novos passes vai continuar, sublinhando que “é um sucesso” mas “ainda tem um longo caminho a percorrer”.

Com 138 milhões de passageiros transportados em 2019, o objetivo para 2020 é chegar aos 148 milhões de passageiros anuais. Para tal acontecer, a CML destinou um financiamento total de 33,1 milhões de euros que vai permitir adquirir 95 novos autocarros, totalizando uma frota de 693 veículos. Neste presente ano verificou-se uma grande aposta na aquisição de autocarros, assumindo-se a compra de 191 novos veículos, movidos a gasóleo e a gás natural.

Um dos compromissos que ficou estabelecido no ano passado foi a criação de novas carreiras de bairros, sendo que em 2019 foram criadas 10 e no próximo ano estão previstas mais oito. O compromisso fica fechado com a criação total de 21 carreiras de bairro em funcionamento.

Ler mais
Recomendadas
TAP Portugal

TAP. Governo diz que está a ser avaliada hipótese da companhia aérea fazer “outro tipo de rotas”

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, explica que a possibilidade ganhou força devido às alterações no mercado devido à pandemia da Covid-19 e ao aumento da frota da empresa que está “inativa”.

Diploma do Chega sobre incompatibilidade de políticos retirado do plenário pelo Governo

Presidência da Assembleia da República avisou gabinete de André Ventura que o Executivo não autorizou o arrastamento do seu projeto de lei para ser discutido em conjunto com proposta de lei sobre contratação pública. “O Governo não achou bem o projeto e passou por cima do presidente da Assembleia da República”, protestou o deputado único do Chega.

Efacec: Estado não vai assumir responsabilidade pelas dívidas de Isabel dos Santos, garante Governo

O Executivo socialista acredita que “grande parte” da dívida da empresária angolana aos bancos que financiaram a sua entrada na Efacec (Montepio, BPI e BIC) “está perdida” porque o valor da indemnização que vai resultar da avaliação que o Governo vai fazer “não será suficiente para amortizar a totalidade dessa dívida”.
Comentários