Lixo da Alemanha, Espanha e Malásia dá à costa em Viana do Castelo

Foram recolhidos “resíduos “estranhos” durante ações de limpeza realizadas desde 2017 na praia do Cabedelo, em Viana. Os dados revelam ser oriundos da Alemanha, Espanha e Malásia.

Dados compilados a partir de quatro ações de limpeza realizadas desde 2017 na praia do Cabedelo, em Viana do Castelo, revelam terem sido recolhidos “resíduos “estranhos” que vão desde “vassouras a molas da roupa, peças de fogo-de-artifício, seringas, tampões auriculares, frascos para análises clínicas, cotonetes e fitas de identificação de hospitais”, noticia o ”Jornal de Noticias”.

Foram recolhidos cerca de “200 quilos de resíduos”, o que permitiu catalogar “6100 itens (tipos de lixo)” distintos. De acordo com a informação divulgada pela Câmara de Viana, a título de exemplo, numa das recolhas realizadas numa área de 100 metros da praia do Cabedelo “foram recolhidos 120 quilos de resíduos para caracterização, onde foram identificados 137 cotonetes, 127 beatas, 432 pedaços de plástico (2.5cm-50cm), entre outros materiais”.

A recolha, que permitiu monitorizar o tipo de lixo que dá à costa, contou com a participação de 114 voluntários de empresas locais como a Borgwaner (fábrica de componentes para automóveis), agrupamentos de escuteiros, associações de pais, escolas privadas e público geral.

Relacionadas

Associação ambientalista Zero: ”Temos que penalizar mais os carros a gasóleo e gasolina”

Francisco Ferreira disse ao Jornal Económico que há medidas que têm de ser implementadas para combater o aquecimento global e que é necessário uma ”mudança radical”. ”Portugal é um dos países mais afetados pelas alterações climáticas à escala europeia”, sublinha.

Relatório exige transformações “sem precedentes” para limitar aquecimento global

Um relatório de especialistas da ONU advertiu hoje que o mundo terá de avançar com transformações “rápidas e sem precedentes” nos sistemas de energia, transportes, construção e indústria” para limitar o aquecimento global a 1,5º Celsius.

Nobel: Ambientalistas saúdam relação economia/alterações climáticas

Organizações ambientalistas ouvidas pela Agência Lusa saudaram hoje a atribuição do prémio Nobel da Economia à associação das alterações climáticas com o comportamento da economia, considerando-a uma “viragem” e mesmo “um momento histórico”.
Recomendadas

Noruega aprova plano de extração de cobre no Ártico, ”um dos projetos industriais mais nocivos ao ambiente”

Acredita-se que até 66 milhões de toneladas de minério de cobre estejam subterradas no solo em Kvalsund, em Finnmark, a região mais setentrional da Europa, no interior do Círculo Polar Ártico.

Catástrofes naturais custam à economia mundial 650 mil milhões. EUA responsável por dois terços do valor

Segundo a consultora Morgan Stanley, os Estados Unidos suportam grande parte dos custos, totalizando 415 mil milhões de dólares, ou seja, 0,66% do PIB norte-americano.

Colapso da barragem em Brumadinho contaminou pelo menos 305km de rio

Pelo menos 305 quilómetros do rio Paraopeba, no sudeste do Brasil, foram contaminados após a rutura da barragem em Brumadinho que causou 166 mortos e 155 desaparecidos, segundo um relatório divulgado por uma organização não-governamental.
Comentários