Novo Banco reduziu 510 trabalhadores e fechou 73 balcões em três anos de Lone Star

Assinalam-se este domingo três anos sobre a venda de 75% do Novo Banco ao fundo norte-americano. Os restantes 25% pertencem ao Fundo de Resolução, entidade que consolida nas contas públicas, na esfera do Estado e financiada pelos bancos.

Rafael Marchante/Reuters

A venda do Novo Banco à Lone Star cumpre três anos este domingo. Neste período, o Novo Banco reduziu 510 trabalhadores e fechou 73 balcões, segundo os relatórios e contas consultados pela Lusa.

No final de junho deste ano, o Novo Banco tinha 4.646 trabalhadores em Portugal, menos 510 do que 5.156 que tinha em dezembro de 2017.

Já antes, porém, o Novo Banco tinha feito grandes reduções de trabalhadores. Entre agosto de 2014 e dezembro de 2017, tinham saído do banco 1.794 funcionários, sendo que na maior parte desse período o Novo Banco era detido na totalidade pelo Fundo de Resolução bancário, entidade da esfera do Estado.

Quanto à rede comercial, o Novo Banco tinha em junho passado 375 agências, menos 73 do que as 448 existentes em dezembro de 2017.

Entre 2014 e 2017, tinham fechado 183 balcões.

O fundo norte-americano Lone Star assinou o contrato de compra de 75% do Novo Banco em 18 de outubro de 2017. Os restantes 25% permaneceram nas mãos do Fundo de Resolução, entidade da esfera do Estado financiada pelos bancos, que consolida nas contas públicas.

Relembre-se que o  Novo Banco  foi criado em agosto de 2014 no âmbito da resolução do BES – Banco Espírito Santo.

Ler mais
Recomendadas

Deutsche Bank anuncia lucros de 309 milhões de euros no terceiro trimestre

No período homólogo, o banco tinha registado um prejuízo de 832 milhões de euros.

Grupo Santander prevê redução de postos de trabalho em Portugal entre outros países

O presidente executivo (CEO) do Santander, José António Álvarez, insistiu na conferência de imprensa sobre os resultados do banco até finais de setembro, que o alcance deste novo ajustamento está ainda por determinar e que os sindicatos serão os primeiros a tomar conhecimento dele.

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.
Comentários