Lucros da Cofina sobem 18% para 1,24 milhões no terceiro trimestre

Em comunicado divulgado no site da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Cofina explicou que as receitas totais atingiram 22,36 milhões de euros, mais 1% do que no período homólogo.

O resultado líquido da Cofina subiu 18,3% no terceiro trimestre de 2019, em termos homólogos, para 1,24 milhões de euros, anunciou esta quinta-feira a dona do Correio da Manhã e do Jornal de Negócios.

Em comunicado divulgado no site da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Cofina explicou que trimestre de 2019 ficou caracterizado por um crescimento de 1% nas receitas totais para 22,35 milhões, “o que se ficou a dever a um crescimento de publicidade de 2,2% e a um crescimento de cerca de 18% das receitas de marketing alternativo e outros”.

Adiantou que, no entanto, as receitas provenientes de circulação registaram um decréscimo de 5%.

“Em termos detalhados, verifica-se que o segmento de TV registou um crescimento das receitas totais de cerca de 18%, representando já cerca de 16% das receitas, o que mais do que compensou o decréscimo de 1,7% que se verificou nas receitas provenientes do segmento de imprensa”, explicou.

O EBITDA consolidado ascendeu a cerca de 4 milhões de Euros, o que reflecte um crescimento de
cerca de 8% face ao período homólogo de 2018. O EBIT atingiu cerca de 3,1 milhões de euros, o que corresponde a um decréscimo de 6%.

A Cofina adiantou que as receitas totais da CMTV ascenderam a cerca de 3,6 milhões de euros, um crescimento de 18%. As receitas de publicidade atingiram 1,4 milhões (+35%) e as receitas provenientes de fees de presença e outros” atingiram 2,2 milhões de euros (+9%).

A 21 de setembro, a Cofina anunciou que chegou a acordo para comprar a Media Capital, dona da TVI,  à espanhola Prisa. O acordo valoriza a Media Capital, que também detém a Rádio Comercial, em 255 milhões de euros. Em paralelo, a Cofina anunciou o lançamento de uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) para adquirir as ações não controladas pela Vertix, subsidiária da Prisa que detém 94,69% dos direitos da voto da Media Capital.

O acordo passa pelo pagamento de 180,2 milhões por 100% do capital da dona da TVI, incluindo a dívida de 74,8 milhões. A Cofina estima obter sinergias de 46 milhões com a compra do canal de televisão.

A Anacom esta quarta-feira aprovou a operação de concentração, dizendo que “não suscita questões concorrenciais”. A 30 de outubro, o Conselho Regulador da ERC – Entidade Reguladora para a Comunicação Social já tinha deliberado não se opor à operação.

[Atualizada às 17h43]

Ler mais

Relacionadas

Anacom aprova operação Cofina/Media Capital: “Não suscita questões concorrenciais”

A Anacom realça que o pedido, solicitado pela Autoridade da Concorrência, teve como objetivo apreciar o “potencial impacto no mercado das comunicações eletrónicas da operação de concentração projetada”. “Operação não suscita questões concorrenciais”, conclui regulador.

Cofina/Media Capital: Mário Mesquita considera que operação põe em causa pluralismo

O membro do Conselho Regulador da ERC Mário Mesquita votou contra a não oposição do órgão à compra da Media Capital pela Cofina, por considerar que a operação “comporta um sério risco de diminuir o pluralismo”.

ERC dá ‘luz verde’ à compra da Media Capital pela Cofina

A ERC concluiu que a operação não coloca em causa “os valores do pluralismo e da diversidade de opiniões”. Parecer foi já remetido à Autoridade da Concorrência
Recomendadas

Bloco quer valorização de salários que não fique “refém” da concertação social

O primeiro-ministro garantiu que não ficará dependente dos parceiros sociais, mas ignorá-los “nunca”.

“yourEUright”: consumidor está mais protegido quando compra online do que quando compra nas lojas

Os mais recentes números da Comissão Europeia mostram que 43% dos portugueses conhece os seus direitos, face a 49% da média europeia.

Preços das portagens nas autoestradas mantêm-se em 2020

Os preços das portagens nas autoestradas vão manter-se em 2020, tendo em conta a taxa negativa de inflação homóloga, sem habitação, de outubro, divulgada hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).
Comentários