Lucro da Repsol cresce 37%, para 2,1 mil milhões de euros nos primeiros nove meses do ano

No acumulado de nove meses, o resultado líquido apresentado pela petrolífera espanhola é o maior dos últimos dez anos.

A petrolífera espanhola Repsol apresentou um resultado líquido de 2,1 mil milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, o que corresponde a um aumento de 37% em comparação com igual período de 2017, de acordo com os resultados para o terceiro trimestre de 2018, divulgados esta quarta-feira. O lucro registado é o maior dos últimos dez anos, no acumulado de nove meses.

Quanto ao EBITDA  – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização – registou-se um crescimento de 5,833 bilhões de euros, representando um aumento de 24% em relação ao mesmo período de 2017. Mais, observando apenas o desempenho do negócio da Repsol, resultado medido pelo lucro líquido ajustado, verifica-se um aumento de 11%, para 1,7 mil milhões de dólares, em comparação com período homólogo.

A Repsol reportou ainda ter aumentado a sua produção de hidrocarbonetos em 4%, face ao mesmo período de 2017, para uma média diária de 713 mil barris de óleo. Um crescimento suportado por projetos de exploração iniciado em Trinidad e Tobago, Argélia, Peru, Malásia e Reino Unido.

Quanto à exploração e produção, os chamados ganhos upstream, a petrolífera espanhola reportou uma faturação superior a mil milhões de euros, o dobro do resultado obtido entre janeiro e setembro de 2017. Na origem deste cresimento esteve a “implementação de medidas de eficiência, volumes mais altos e aumento dos preços internacionais”, lê-se no relatório de contas da empresa.

Já os ganhos sobre refinação, produtos químicos, marketing, lubrificantes, trading, gás natural (GPL) e gás e energia, vulgo proveitos downstream, fixaram-se nos 1,09 mil milhões de euros. As unidades de gás e energia, marketing e GPL foram as que mais cresceram.

Relacionadas

Repsol cria fundo de investimento de 85 milhões de euros para startups

Fundo ‘Repsol Corporate Venturing’ destina-se a startups que ofereçam soluções de mobilidade avançada, novos materiais, economia circular ou tecnologias digitais aplicadas à exploração de produto e aplica-se no período entre 2016 e 2020.

Repsol e Enagás desenvolvem tecnologia para produzir hidrógenio renovável

É a primeira vez que a Repsol faz parte de um acordo tecnológico no qual integra um parceiro na cadeia de valor da empresa.
Recomendadas

Mutualista diz que fusão do Montepio com BCP colide com os interesses dos associados

“O Banco Montepio dispõe de soluções de capital ajustadas às suas necessidades e encontrará o seu próprio caminho de estabilização”, garante a instituição liderada por Virgílio Lima. “Uma fusão desta natureza corresponderia à sua descaracterização, algo que colide com os interesses da Associação e dos associados”, defendem.

Grupo Os Mosqueteiros investe 25,3 milhões para abrir mais seis lojas Intermarché em Portugal

Este investimento irá permitir a criação de 265 novos postos de trabalho de norte a sul do país, asseguram os responsáveis do grupo francês de distribuição.

Tribunal espanhol adia audições dos responsáveis do CaixaBank sobre compra do BPI

Segundo a agência Efe, problemas técnicos impediram a audição telemática do presidente da Criteria e ex-presidente do CaixaBank. O julgamento que está em curso desde 2018 decorre de uma queixa de acionistas minoritários que se sentiram lesados com algumas operações inerentes à compra do BPI em 2017.
Comentários