Lucro do MARL sobe 3% para 4,7 milhões de euros no 4.º trimestre de 2020

No período em causa, o resultado antes de juros, amortizações e depreciações (EBITDA) do MARL fixou-se em 10,3 milhões de euros, mais 184 mil euros do que no quarto trimestre de 2019.

O Mercado Abastecedor da Região de Lisboa (MARL) totalizou 4,7 milhões de euros de lucro no quarto trimestre de 2020, uma subida de cerca de 3% em comparação com o mesmo período do ano anterior, foi hoje anunciado.

“A MARL, empresa responsável pelo maior mercado e plataforma logística pública de aprovisionamento do país, encerrou o quarto trimestre de 2020 com um resultado líquido de cerca de 4,7 milhões de euros, correspondente a uma margem sobre os rendimentos operacionais de 33%, cerca de 3% acima do período homólogo, e apresentando uma rendibilidade do capital próprio anualizada de mais de 6%”, indicou, em comunicado, o mercado.

No período em causa, o resultado antes de juros, amortizações e depreciações (EBITDA) do MARL fixou-se em 10,3 milhões de euros, mais 184 mil euros do que no quarto trimestre de 2019.

Por sua vez, a dívida financeira da empresa cedeu 17% face ao valor registado em dezembro de 2019.

“Destaca-se ainda o aumento dos rendimentos ‘core’ da empresa, referente às taxas de utilização, em quase 231 mil euros, significando um acréscimo de 2,2% face ao ano anterior”, acrescentou.

O MARL, que tem entre os acionistas as câmaras municipais de Lisboa e Loures, bem como a Santa Casa de Misericórdia de Lisboa, reúne cerca de 800 produtores e operadores, que fornecem mais de 10 mil clientes diários, responsáveis pelo aprovisionamento direto de mais de quatro milhões de pessoas.

Recomendadas

PremiumBastam 15 km de nova linha para ligar Faro a Sevilha

Há mais de dez anos que a RAVE equacionou uma solução faseada para ligar as redes ferroviárias do Algarve e da Andaluzia implicando um investimento mínimo para Portugal e a utilização do Alfa Pendular.

PremiumO novo arsenal da Netflix para fechar ano em força

Há qualquer coisa na história dos primeiros anos da Netflix que nos desconcerta.

BlackRock, HSBC e UBS são dos que mais investiram na dívida da Evergrande

Depois de analisar as exposições à Evergrande pelos seis maiores fundos de obrigações de alto rendimento na Ásia, a Morningstar assinalou que aquelas três instituições estiveram a “acumular” dívida da Evergrande nos últimos meses.
Comentários