Lucros da CGD atingem os 641 milhões de euros até setembro

O banco do Estado, liderado por Paulo Macedo, explicou que o resultado líquido corrente foi de 481,4 milhões de euros, uma subida homóloga de 30%.

Cristina Bernardo

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) registou lucros de 641 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, o que significa uma subida de 272 milhões de euros por comparação com igual período do ano passado.

O banco do Estado, liderado por Paulo Macedo, explicou, no entanto, que o resultado líquido consolidado corrente foi de 481,4 milhões de euros, uma subida homóloga de 30%.

“Este crescimento tem sido bastante sustentado”, salientou José Brito, CFO da CGD.

Devido à conclusão da venda do Banco Caixa Geral (BCG) em Espanha e ainda da venda do Mercantile, que se concluiu esta quinta-feira, em linha com os objetivos delineados no Plano Estratégico, a CGD reverteu 159 milhões de euros em imparidades, o que explica a diferença entre os resultado líquido e o resultado corrente.

“Esta evolução originou a reversão de 159 milhões de euros da imparidade resultante do preço de venda alcançado no processo negocial”, disse o banco público. Ainda assim, as contas de setembro integram ainda o BCG e o Mercantile, uma vez que a desconsolidação só ocorre após as datas das respectivas vendas.

“O resultado de exploração core recorrente alcançou os 564 milhões de euros, um crescimento face ao período homólogo de 1,6%”, esclareceu a CGD. Esta evolução explica-se com a redução dos custos operativos em conjugação com o aumento dos resultados de serviços e comissões (+2%) que compensaram a queda da margem financeira estrita, revelou a Caixa.

A margem financeira estrita caiu 2,2% nos primeiros nove meses do ano face a igual período do ano anterior para 851,5 milhões de euros devido à “conjuntura de taxas de juro e o seu impacto na carteira de crédito e de ativos financeiros”, explicou o banco público. “Tem a ver sobretudo com os indexantes, nomeadamente a Euribor”, explicou José Brito. “Isto reflecte-se nas operações de crédito uma vez que têm taxa indexada”.

“É de prever que esta tendência da margem financeira se continue a sentir no quarto trimestre e para o primeiro trimestre do próximo ano porque o repricing do crédito é normalmente feito a seis meses”, salientou o CFO da CGD.

As comissões subiram, na atividade doméstica 1,4%, para 307 milhões de euros (cresceram 2% na atividade consolidada, subiindo para 374 milhões). José Brito explicou que “o volume total de comissões continua abaixo do que se verificava em 2015”.

Os custos caíram 4%, em termos homólogos, para 662 milhões de euros. O número de colaboradores caiu de 7.675 colaboradores em dezembro de 2018 para 7.421 em setembro deste ano, uma diferença de 254. Também o número de agências foi reduzido, de 522 em dezembro do ano passado para 510 em setembro de 2019, uma diferença de 12 agências.

O crédito a clientes ascendeu a 41,4 mil milhões de euros, o que se traduz numa subida de 0,4% (144 milhões de euros) em relação a dezembro de 2018. O crédito ao consumo e à habitação ascendeu a cerca de 24 mil milhões de euros, o que representa aproximadamente 58% do total do volume de crédito concedido.

Já o segmento do crédito concedido às empresas ascendeu a 13,6 mil milhões de euros, representando cerca de um terço do volume total do crédito concedido. No entanto, excluindo o setor da construção e imobiliário, o crédito a empresas fixou-se nos 8,7 mil milhões de euros, uma subida de 5,5% face dezembro de 2018.

Na qualidade dos ativos, a CGD tem vindo a reduzir o custo do risco do crédito deste 2016, e desceu para 0,01% em setembro de 2019. O rácio de NPL fixou-se caiu de 8,5% em dezembro de 2018 para 6,6% em setembro de 2019. Destaque para o rácio de NPL inferior a 90 dias ser inferior a 5%. A cobertura por imparidades ascendeu a 68,2%, superior à média europeia (44,9%).

Desde dezembro de 2016, a CGD reduziu o malparado em 6,6 mil milhões de euros. Em setembro de 2019, o malparado fixou-se nos quatro mil milhões de euros.

O número de imóveis detido apresentam uma tendência de redução, tendo caído para 690, o que compara com 766 que a CGD tinha no balanço em dezembro de 2018. O rácio de cobertura por imparidades fixou-se em 48%, em setembro deste ano.

Nos rácios de capital, a CGD diz estar “confortável (…) mesmo sem o impacto total da venda de filiais”. De acordo com o requisitos SREP,  CET1 fixou-se em 9,75% e o Tier1 ascendeu a 11,25%.

(atualizada)

Ler mais
Relacionadas

BCP sobe lucros para 270,3 milhões até setembro

O resultado líquido do grupo foi de 270,3 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2019, impulsionado pela expansão dos proveitos core em 7,0% e pela redução das imparidades e provisões em 12,1% face ao período homólogo do ano anterior.

Lucros do BPI caem 52%, para 253,6 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano

Para este resultado consolidado, o BFA de Angola contribuiu com 86,4 milhões de euros e o BCI, em Moçambique, gerou 14,5 milhões de euros.

Santander Totta lucra 390,6 milhões, sobe 1,5% face ao ano passado

“Caminhamos para o melhor resultado anual de sempre do Santander em Portugal”, disse o CEO, Pedro Castro e Almeida.
Recomendadas

Banco de Portugal vai sujeitar diretores do risco, compliance e auditoria ao ‘Fit & Proper’

Está em consulta pública até ao final de março um projeto de alteração de Aviso do Banco de Portugal que vai rever os requisitos aplicáveis em matéria de governo interno dos bancos. Entre as principais novidades introduzidas pelo regulador, destaca-se o alargamento do processo de avaliação e adequação diretores do risco, de compliance e de auditoria interna, e um relatório anual de autoavaliação dos bancos sobre o cumprimento das regras de controlo interno.

PSD junta-se à esquerda para limitar cobrança de comissões bancárias

A medida consta de um projeto de lei entregue pelos social-democratas na Assembleia da República, que prevê que os primeiros cinco movimentos mensais feitos através da MB Way bem como a emissão do distrate no final do contrato de crédito sejam gratuitos.

Carlos Costa quer mais controlo sobre clientes de risco e aperta cerco à gestão dos grandes devedores

O Banco de Portugal definiu que as políticas de cada banco terão de ser entregues até ao dia 30 de junho.
Comentários