Lucros da dona da Zara crescem 2% para 3.444 milhões

O grupo espanhol superou os 26 mil milhões de euros em vendas, no ano passado.

O grupo espanhol Inditex registou um resultado líquido de 3.444 milhões de euros em 2018, o que representa uma subida de 2% face ao ano anterior. A empresa liderada por Amancio Ortega viu também o seu EBITDA – lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização – aumentar 11%, para 5,46 mil milhões de euros.

As receitas líquidas cresceram 3%, para os 26,15 mil milhões de euros e as vendas online subiram 27%, para 3,2 mil milhões de euros. “Foi a primeira vez na sua história que ultrapassaram os 26 mil milhões de euros [em vendas], mas ainda assim ficaram aquém dos 26,38 mil milhões de euros antecipados pelos analistas”, salientou Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp, num research de mercado publicado esta manhã.

A empresa que detém lojas como a Zara, Pull and Bear, Massimo Dutti, Bershka, Stradivarius ou Oysho prevê para este ano um crescimento de vendas entre 4% e 6%, sendo que o conselho de administração vai propor um aumento de 18% no dividendo, para 0,88 euros por ação.

“[O grupo] Inditex foi muito ativo na otimização do espaço comercial durante o ano (370 aberturas, 355 absorções e 226 reformas, incluindo 112 extensões). No final do ano, operava num total de 7.490 lojas. Em 2018, foram feitas aberturas em 56 mercados. Para fortalecer a posição estratégica da Inditex, 90% da área comercial foi otimizada no período 2012-2018”, comentou a empresa, no último relatório e contas.

Ontem, Aitor Méndez, analista da IG, destacou que, mesmo antes da publicação dos resultados da Inditex, começou a haver uma pressão negativa sobre o valor da empresa. “Isto acontece depois de ter aumentado 23,89% desde o início do ano para o máximo de 2019 gerado no último dia 6 de março. O mercado lembra os últimos movimentos das ações após a apresentação dos resultados com fortes reviravoltas na cotação”, explicou o especialista.

Fonte: Inditex

Ler mais
Recomendadas

‘Caso EDP’: empresa confirma que já foi notificada pelo DCIAP para ser constituída arguida

Em comunicado, a energética portuguesa afirmou que “em linha com as notícias divulgadas na imprensa portuguesa no final do dia de ontem, a EDP foi hoje notificada pelo DCIAP de que deverá, nos próximos dias, designar um legal representante que compareça no DCIAP, a fim de ser constituída arguida”.

Nova companhia aérea de Neeleman deverá iniciar voos em 2021

A Breeze Airways, fundada por David Neeleman, cuja saída da TAP foi anunciada recentemente, deverá iniciar os voos em 2021, um lançamento que foi adiado pela pandemia de Covid-19, avançou hoje a Bloomberg.

Salários da CGD aumentaram em 2019 com início de pagamento de bónus

Os salários da administração da CGD cresceram para 3,6 milhões de euros no ano passado, um aumento de 22,5% justificado com o início de um programa de pagamento de remunerações variáveis, que já estava previsto, revelou o banco.
Comentários