Lucros da EDP Renováveis descem 7% até setembro

A queda dos lucros deve-se ao recuo da produção de eletricidade que, por sua vez, se deve à venda de ativos com uma potência superior a 1 gigawatt.

Os lucros da EDP Renováveis desceram 7% para 319 milhões nos primeiros nove meses de 2020 face a período homólogo.

A queda dos lucros deve-se à descida de 7% da produção de energia para 20,4 terawatts hora, devido à venda de ativos da elétrica liderada por Rui Teixeira, presidente executivo interino.

“A evolução anual segue a linha de menor capacidade instalada após a execução da estratégia de vendas da EDP Renováveis”, segundo a empresa, incluindo a venda de 997 megawatts de ativos na Europa, e de 137 megawatts no Brasil.

Durante este período, as receitas caíram 8% para 1.259 milhões de euros, devido à menor capacidade instalada (com impacto negativo de 73 milhões de euros), do menor recurso eólico – menos dois pontos percentuais para 29% com impacto negativo de 58 milhões de euros -, e os efeitos cambiais negativos – menos quatro milhões. O EBITDA caiu 12% para 1.074 milhões de euros.

Já o preço médio de venda de eletricidade foi inferior em 2% face a período homólogo devido ao “efeito” provocado pela venda dos ativos na Europa e Brasil.

A elétrica anunciou ganhos de 200 milhões de euros derivado da vendas de participações de ativos marítimos eólicos de 200 milhões de euros.

Já a dívida líquida subiu 429 milhões de euros para 3.232 milhões de euros, com os investimentos e os efeitos cambiais a pesar negativamente, aliviada pela caixa gerada pela venda de ativos.

A EDP tem atualmente 2,2 gigawatts de nova capacidade em construção: 1.693 megawatts relacionados com a energia eólica onshore, 200 megawatts de energia solar e 269 megawatts com participações consolidadas em projetos eólicos offshore.

Ler mais
Recomendadas

Que caminho para o hidrogénio? Shell e Schneider debateram futuro da energia na Web Summit

Ambas as empresas acreditam em apresentar aos seus clientes o maior número de opções quanto à energia que podem utilizar. No entanto, para a Schneider, o hidrogénio não tem valor económico e o futuro “será mais elétrico e a eletricidade será produzida e consumida de forma descarbonizada e descentralizada”.

CIO da Johnson & Johnson: “Ecossistema tecnológico ajudou a repensar a ciência”

As novas tecnologias aceleraram a maneira como se descobrem e produzem novos medicamentos. Combinar todos os dados disponiveis, aliá-los à ciência e colocá-los em prático são os desafios apontados ao setor farmcêutico durante os próximos anos.

AHRESP afirma que Governo “comprometeu-se a anunciar medidas” em função das propostas efetuadas

Do lado do Governo, a associação sublinha que o ministro da Economia “comprometeu-se a anunciar publicamente muito em breve, com a presença dos parceiros sociais, as medidas que o governo vier a decidir em função das propostas apresentadas pelas associações presentes nesta reunião”.
Comentários