Lucros da Semapa caíram 56,6% no primeiro trimeste, para 17,2 milhões de euros

O volume de negócios consolidado da ‘holding’ foi de 524 milhões de euros, o que representou uma quebra de 5% em comparação com o primeiro trimestre de 2019.

Os lucros da ‘holding’ Semapa, que controla, entre outras participadas, a The Navigator Company (ex-Portucel) e a cimenteira Secil, caíram 56,6% no primeiro trimestre de 2020 face ao período homólogo do ano passado, para 17,2 milhões de euros.

Já o volume de negócios consolidado da empresa foi de 524 milhões de euros, o que representou uma quebra de 5% em comparação com o primeiro trimestre de 2019.

Segundo o comunicado enviado há minutos pela administração da Semapa para a CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, “as exportações e vendas no exterior ascenderam a 382,1 milhões de euros, o que representa 72,9% do volume de negócios”.

“Destaque para um aumento global nos volumes de vendas do segmento pasta e papel face ao período homólogo:
mais 4% no papel, mais 34% na pasta e mais 10% no ’tissue’. No entanto, o desempenho ficou condicionado pela queda dos preços de venda comparativamente ao primeiro trimestre de 2019: o índice de pasta BHKP (em euros) caiu 29% e o índice do papel A4 perdeu 5,5%. Se compararmos com o quarto trimestre de 2019, verificamos que o aumento do volume de vendas de papel não foi suficiente para mitigar a evolução desfavorável dos preços de venda no primeiro trimestre de 2020”, assinala o referido comunicado.

O EBITDA da Semapa no período em análise atingiu 119,1 milhões de euros, uma queda superior a 10% face ao homólogo, “tendo sido 88,4 milhões de euros gerados na pasta e papel, 28,5 milhões de euros no cimento e 2,7 milhões de euros no ambiente”.

“De realçar a evolução positiva nos segmentos do cimento e ambiente, face ao período homólogo. Destaque também para o crescimento de 25,6% do EBITDA ‘versus’ o quarto trimestre de 2019, que passou de 94,8 milhões de euros para 119,1 milhões de euros, com o contributo positivo de todos os segmentos de negócio, respetivamente cerca de mais 16,6 milhões de euros (pasta e papel), mais 7,8 milhões de euros (cimento) e mais 0,2 milhões de euros (ambiente)”, adianta o comunicado da Semapa.

O mesmo documento acrescenta que, “a 31 de março de 2020, a dívida líquida consolidada totalizava 1.540,7 milhões de euros, o que representou uma redução de 5,2 milhões de euros face ao valor apurado no final do exercício de 2019”, e precisava que, “excluindo o efeito da IFRS 16 [norma contabilística], a dívida líquida seria de 1.465,9 milhões de euros, valor inferior ao apresentado no final de 2019 em 4,8 milhões de euros”.

A administração da Semapa acentua que, “no final do primeiro trimestre de 2020, o total de disponibilidades consolidadas ascendia a 685 milhões de euros, tendo o grupo, adicionalmente, um conjunto de linhas contratadas e não utilizadas no total de 380 milhões de euros, assegurando desta forma uma forte liquidez neste momento de incerteza em que vivemos”.

“Na presente data, a posição de liquidez é confortável e robusta, dado que é suficiente para fazer face aos vencimentos com maturidade nos próximos 12 meses. Adicionalmente, as empresas concluíram ou estão em vias de concluir a contratação de financiamentos adicionais que lhes permite alongar a maturidade da sua dívida e aumentar ainda mais o conforto face a cenários de mais agressivos”, garantem os responsáveis da Semapa.

Sobre as perspetivas futuras para o presente exercício, a administração da Semapa esclarece que, “após o surgimento do surto Covid-19 no final do ano 2019 na China (…) verificou-se a alteração profunda das perspetivas sócio económicas globais”.

“Considerando a indeterminação da duração da pandemia, as medidas de contenção implementadas pelos diversos
países e as suas consequências, existe um fator de incerteza sem precedentes relativamente ao desempenho das
empresas durante o ano de 2020. As estimativas de impactos futuros estão muito dependentes da duração das medidas de contenção e da forma como se irá realizar a retoma da atividade económica, e como tal, torna-se difícil fornecer uma quantificação fiável dos impactos financeiros no Grupo Semapa”, admite a administração da ‘holding’.

 

Ler mais
Recomendadas

‘Caso EDP’: empresa confirma que já foi notificada pelo DCIAP para ser constituída arguida

Em comunicado, a energética portuguesa afirmou que “em linha com as notícias divulgadas na imprensa portuguesa no final do dia de ontem, a EDP foi hoje notificada pelo DCIAP de que deverá, nos próximos dias, designar um legal representante que compareça no DCIAP, a fim de ser constituída arguida”.

Nova companhia aérea de Neeleman deverá iniciar voos em 2021

A Breeze Airways, fundada por David Neeleman, cuja saída da TAP foi anunciada recentemente, deverá iniciar os voos em 2021, um lançamento que foi adiado pela pandemia de Covid-19, avançou hoje a Bloomberg.

Salários da CGD aumentaram em 2019 com início de pagamento de bónus

Os salários da administração da CGD cresceram para 3,6 milhões de euros no ano passado, um aumento de 22,5% justificado com o início de um programa de pagamento de remunerações variáveis, que já estava previsto, revelou o banco.
Comentários