Lufthansa supera Air France-KLM e ascende ao topo da Europa

Apesar de a empresa alemã se ter aproximado do seu rival francês no ano de 2017, apenas conseguir ultrapassar a Air France-KLM em 2018.

A companhia aérea alemã Lufthansa superou o grupo Air France-KLM tornando-se a maior linha aérea europeia, assumindo assim o lugar mais alto pódio à empresa francesa. Esta mudança surge ao fim de 14 anos.

Apesar de a empresa alemã se ter aproximado do seu rival francês no ano de 2017, apenas conseguir ultrapassar a Air France-KLM em 2018 ao aumentar o tráfego de passageiros em 9%, superando de forma significativa o ritmo de crescimento francês. Segundo os dados de tráfego deste ano que passou, a Air France-KLM pode, ainda, vir a ser ultrapassada pela britânica IAG SA, que cresceu o dobro o ano passado em relação a 2017.

A alteração dos lugares no pódio marca o crescimento da empresa alemã, que também se deve à compra de pequenas empresas suíças, austríacas e belgas e ainda aos descontos na Eurowings. Um acordo realizado com os pilotos da companhia permitiu a ausência de greves e houve uma grande procura da primeira classe no ano passado, o que fez com que a Lufthansa ficasse em primeiro lugar. Para contrastar, a Air France-KLM sofreu paralisações por parte dos trabalhadores da empresa, do controlo aéreo e da manifestação dos “coletes amarelos”, que gerou prejuízos de 15 milhões de euros.

Recomendadas

Lucros da REN recuam 8,1% em 2018 devido à CESE

REN anunciou redução dos lucros em 2018 e justificou a quebra com a subida da taxa de imposto.

34 anos depois, Wall Street volta a ‘vestir’ Levi Strauss. Regresso com subida superior a 30%

Para regressar aos mercados, a empresa colocou em circulação 36,66 milhões de ações, que chegaram aos investidores com um preço fixado de 17 dólares por título, um valor superior ao valor de referência fixado na oferta de saída que se situava entre os 14 e os 16 dólares.

Grupo Sonae investiu 1,2 mil milhões em 2018

O grupo não está preocupado com a entrada da Mercadona no território nacional – “já enfrentámos franceses e alemães”. E, por outro lado, ainda não desistiu de todo do IPO que, em 2018, não conseguiu levar por diante com a Sonae MC.
Comentários