PremiumLuís Aguiar-Conraria: “Se pensássemos mais racionalmente, talvez todos ganhássemos com isso”

Depois de “Crise e Castigo”, o economista e professor na Universidade do Minho Luís Aguiar-Conraria lança um novo livro, desta feita uma coletânea de crónicas e textos escritos ao longo dos últimos 16 anos. O JE falou com o autor sobre a obra e a atualidade nacional, que foi servindo de inspiração semanal ao longo destes anos.

O que o motivou a lançar agora este livro?
Em relação ao motivo, não posso colher grandes créditos. Já vários colegas me haviam desafiado a reunir algumas das minhas crónicas e foi a editora que me contactou, através da Teresa Matos. A partir daí grande parte do trabalho já estava feito, as crónicas estavam feitas. Gostei muito de as reunir, de procurar as menos datadas. Isto tem um lado muito interessante e puramente psicológico: ao ler os mesmos artigos na forma de livro, em vez de artigo de opinião, parece que ficou mais sério. É uma alteração da perceção de que só me apercebi ao lê-lo. Acho que quem comprar este livro, mesmo que me leia nos jornais, dificilmente terá lido mais de um terço destas crónicas. Já escrevi para muitos jornais diferentes, reúno crónicas desde 2005, incluindo algumas dos blogues, pelo que acho que consigo fugir à atualidade dos jornais.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Bruxelas divulga previsões económicas da primavera ainda em cenário de pandemia

Relativamente a Portugal, a Comissão antecipava em fevereiro passado um crescimento do PIB no corrente ano de 4,1% – uma forte revisão em baixa face às projeções de novembro do ano passado, de 5,4% -, tendo, em contrapartida, revisto em alta a expectativa de crescimento para 2022, de 3,5 para 4,3%.

Recuperação e inflação devem levar Portugal a pagar mais para emitir dívida a 10 e 15 anos

A ultima venda de OT a 10 anos foi através de um sindicato bancário, a 7 de abril, com a instituição liderada por Cristina Casalinho a pagar 0,30% para emitir quatro mil milhões de euros, mas entretanto as ‘yields’ têm vindo a subir devido à expectativas sobre a inflação e sobre o programa de compra de ativos do BCE.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta quarta-feira

Esta terça-feira vai estar em destaque os leilões de Obrigações do Tesouro da IGCP (Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública), com um montante indicativo global entre 1.000 milhões de euros e 1.250 milhões de euros.
Comentários