Luís Filipe Vieira dá imóvel e ações do Benfica como garantias para pagar caução de três milhões

O pagamento da caução tem de ser realizado até 30 de julho e a decisão de aceitar ou não a caução está nas mãos do juiz Carlos Alexandre, segundo o “Correio da Manhã”.

Lusa

O ex-presidente do Benfica dá como garantias um imóvel (no valor de 1,2 milhões de euros) e ações da Benfica SAD como garantias para pagar a caução de três milhões de euros do processo ‘Cartão Vermelho’, revela o “Correio da Manhã”.

O pagamento da caução tem de ser realizado até 30 de julho e a decisão de aceitar ou não a caução está nas mãos do juiz Carlos Alexandre.

Luís Filipe Vieira está em prisão domiciliária, sem pulseira eletrónica, até garantir o pagamento da caução.

Luís Filipe Vieira renunciou na semana passada à presidência do Sport Lisboa e Benfica e também da Benfica SAD, abandonando as funções depois de as ter suspendido na passada sexta-feira. Conforme apurou o Jornal Económico, Luís Filipe Vieira comunicou formalmente a sua decisão numa carta dirigida aos presidentes da mesa da assembleia geral da SAD e também do clube das águias.

A demissão do presidente benfiquista, que foi novamente eleito no ano passado, surgiu no âmbito da sua detenção, na sequência da operação Cartão Vermelho, onde era suspeito dos crimes por abuso de confiança, burla qualificada, falsificação, fraude fiscal e branqueamento.

O juiz Carlos Alexandre tinha determinado que Luís Filipe Vieira ficaria sujeito a uma medida de prisão domiciliária até ao pagamento de uma caução de três milhões de euros. Além desta caução, Luís Filipe Vieira terá como medidas de coação a proibição de contactos entre arguidos (à exceção do contacto entre Luís Filipe Vieira e o filho Tiago Vieira), proibição de saída para o estrangeiro e entrega do passaporte. Além disso, Luís Filipe Vieira, Tiago Vieira, José António dos Santos e Bruno Macedo estão sujeitos ao termo de identidade e residência.

Recomendadas

CEO da RealFevr: “Mercado dos ativos digitais irá multiplicar-se por 30, 40 ou 50 vezes nos próximos anos”

Fred Antunes, CEO da startup portuguesa RealFevr, destaca em entrevista ao JE a enorme oportunidade que este mercado representa: “aquilo que estamos a viver hoje foi o mesmo que experienciámos em 1997, 1998 e 1999 com o surgimento da Internet”.

Paris em choque. Substituição de Lionel Messi provoca ameaças a treinador do PSG

Khalifa Bin Hamad Al Thani, familiar do presidente do PSG, revelou toda a sua frustração nas redes sociais ao partilhar uma foto de Mauricio Pochettino com um comentário que está a dar muito que falar junto dos adeptos parisienses: “Já sabes que Londres é uma cidade linda”.

PremiumNFTs: os cromos desportivos que valem milhões

A área de ‘sports tech’ está a crescer e há startups portuguesas, como a RealFevr, que se estão a posicionar para liderar a nível mundial com apostas que juntam o talento de futebolistas e de profissionais de topo da área do digital.
Comentários