“Não assinei sozinho”. Luís Filipe Vieira sente-se traído por administradores da Benfica SAD

O ex-presidente sente-se desiludido com a falta de solidariedade demonstrada pelos membros da direção da SAD encarnada, segundo revelou fonte próxima ao dirigente ao “Correio da Manhã”.

Luís Filipe Vieira está profundamente magoado e sente-se traído pelos administradores da SAD do Benfica, clube que dirigiu nos últimos 18 anos e do qual deixou de exercer funções no seguimento da operação ‘Cartão Vermelho’. De acordo com a edição do “Correio da Manhã” desta quarta-feira, 21 de julho, o ex-presidente lamenta a falta de solidariedade daqueles que foram escolhidos por si para liderar o clube.

Fonte próxima de Luís Filipe Vieira revelou ao “CM” que este repete “não assinei sozinho” em relação aos negócios da SAD que agora todos parecem desconhecer. A prioridade do ex-presidente é pagar a caução de três milhões de euros a que foi condenado pelo juiz Carlos Alexandre. O ex-presidente do Benfica lembrou às pessoas mais próximas a “obra feita e o património que deixou”.

“A seu tempo ver-se-á se de facto ninguém sabia. Ou se nunca se importaram e agora são os primeiros a abandonar o barco”, terá confidenciado Vieira a esta fonte, de acordo com o “CM”.

De recordar que no dia 9 de julho, Rui Costa assumiu a presidência do SL Benfica no estádio da Luz, não tendo feito no seu discurso qualquer menção ao líder do Benfica durante 18 anos.

Para domingo está marcada uma manifestação de apoio a Vieira no estádio da Luz. Esta iniciativa visa expressar “gratidão e solidariedade” ao ex-presidente do Benfica, segundo o “Record”.

Recomendadas

Sindicatos reúnem-se com Governo para debater insolvência da Groundforce

A reunião, por videoconferência, deverá contar com a maioria das estruturas sindicais representadas na empresa, conta com a presença do secretário de Estado Adjunto e das Comunicações, Hugo Mendes, e tem como objetivo informar os trabalhadores sobre o processo. 

Ilha de Santo Antão lidera cobertura da vacinação em Cabo Verde

O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, e representantes de partidos políticos apelaram na segunda-feira à adesão da população à campanha de vacinação contra a covid-19, sobretudo na ilha de Santiago, onde o processo está mais atrasado.

Jovens saudáveis dos 12 aos 15 anos têm que esperar por ‘task force’ para vacinação

A DGS determina que as crianças com idades entre os 12 e os 15 anos que tenham cancro ativo, diabetes, obesidade, insuficiência renal crónica estão entre as que devem ser vacinadas prioritariamente contra a covid-19.
Comentários