Lula diz que preferiu ser preso para provar “a mentira” contra si

O antigo Presidente brasileiro Lula da Silva disse hoje que, quando da sua prisão em abril de 2018, poderia ter-se refugiado numa “embaixada, ou noutro país”, mas decidiu entregar-se para provar “a mentira” contra si.

“Muitos de vocês não queriam que eu fosse preso, eu tive de vos persuadir a entender o papel que eu tinha de cumprir. Vou repetir o que disse naquele dia [da prisão]: quando um ser humano, tem clareza do que quer na vida, do que representa e tem a certeza do que os seus acusadores estão a mentir, então decidi entregar-me na Polícia Federal naquele dia”, declarou Lula da Silva.

O antigo chefe de Estado do Brasil falava a uma multidão de apoiantes, em São Bernardo do Campo, no estado de São Paulo.

“Eu podia ter ido para uma embaixada, a outro país, mas fui para lá, para provar que o juiz Moro [atual ministro da Justiça] era um canalha que me estava a julgar, para provar que o procurador Deltan Dallagnol não representa o Ministério Público, que é uma instituição pública, montou uma quadrilha com a Lava Jato”, acrescentou.

E o antigo Presidente frisou: “Se eu saísse do Brasil ia ser tratado como fugitivo, (…) mas decidi enfrentar as feras”.
Rodeado por aliados, como o ex-candidato pelo Partido dos Trabalhadores (PT) às presidenciais do ano passado, Fernando Haddad, pela presidente do PT, Gleisi Hoffmann, o líder do PT na Câmara dos Deputados, Paulo Pimenta, e pela sua namorada, Rosângela Silva, Lula subiu a um palco para falar a milhares de apoiantes que o aguardavam na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo.

O antigo chefe de Estado brasileiro, de 74 anos, que deixou na sexta-feira a cadeia em Curitiba, após 580 dias preso, declarou que se “preparou espiritualmente para não ter ódio” dos que o acusaram.

“Eu tinha uma missão. Fiquei numa solitária e durante 580 dias preparei-me espiritualmente para não ter ódio, para não ter sede de vingança, para não odiar os meu algozes, porque eu queria provar que, mesmo preso por eles, eu dormia com a consciência mais tranquila do que a deles”, vincou.

Luiz Inácio Lula da Silva, que governou o Brasil entre 2003 e 2010, viu a sua libertação decidida por um juiz em menos de 24 horas após uma decisão do STF, na quinta-feira, ter alterado a jurisprudência e proibir a prisão após condenação em segunda instância dos réus que recorrem para tribunais superiores.

O histórico líder do Partido dos Trabalhadores (PT) foi preso após ter sido condenado em segunda instância pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), num processo sobre a posse de um apartamento, que os procuradores alegam ter-lhe sido dado como suborno em troca de vantagens em contratos com a estatal petrolífera Petrobras pela construtora OAS.

 

Ler mais
Relacionadas

Políticos da esquerda europeia celebram libertação de Lula da Silva

Do Partido Trabalhista do Reino Unido, Jeremy Corbyn, ao francês Hollande, passando Anne Hidalgo, presidente da câmara municipal de Paris, políticos de esquerda pronunciaram-se sobre libertação do antigo presidente do Brasil.

Bolsonaro pede aos brasileiros para não darem “munição ao canalha”

“Não podemos cometer erros. Sem um norte e um comando, mesmo a melhor tropa se torna num bando que atira para todos os lados, inclusive nos amigos”, escreveu o presidente brasileiro.

Lula da Silva alerta para crise económica e acusa Bolsonaro de “mentiras”

Perante centenas de apoiantes, o antigo chefe de Estado brasileiro criticou o ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sergio Moro, o promotor Deltan Dallagnol e delegados da polícia que integraram a operação Lava Jato.

Lula da Silva diz que resistiu à “safadeza” do “lado podre” da Justiça brasileira

“Todo o dia vocês eram o alimento da democracia que eu precisava para resistir à safadeza que o lado podre do Estado brasileiro fez comigo e com a sociedade brasileira. O lado podre da justiça, do Ministério Público, da Polícia Federal, da Receita Federal, para tentar criminalizar a esquerda, o PT [Partido dos Trabalhadores], o Lula”, declarou Luiz Inácio Lula da Silva.
Recomendadas

‘Acqua Alta’. Veneza está a afogar-se no próprio rio

Depois de milhares de cidadãos e turistas terem ficado com a água pelos joelhos, muitos se perguntam o que vai acontecer depois das inundações

‘Impeachment’. Presidente da Câmara dos Representantes acusa Donald Trump de “suborno”

Os democratas que controlam a Câmara dos Deputados investigam se há mérito em processar Trump por abuso de poder, ao supostamente suspender ajuda militar à Ucrânia a troco de uma investigação ao candidato democrata Joe Biden num caso de corrupção. “O suborno é conceder ou reter assistência militar em troca de uma investigação falsa”, disse Pelosi.

Trump visita a Rússia em maio de 2020

O presidente russo convidou Donald Trump para estar presente nas comemorações da 75ª vitória da URSS sobre a Alemanha. O presidente, que estará em campanha nessa altura, diz que, em princípio, vai.
Comentários