Macron faz regressar serviço militar obrigatório a França

O presidente francês, Emmanuel Macron, confirmou esta sexta-feira que vai restabelecer o serviço militar obrigatório no país, tal como tinha anunciado na campanha eleitoral.

Lionel Bonaventure / Reuters

Sem dar detalhes sobre este projeto, num discurso perante militares na base naval de Toulon, no sudeste do país, Macron afirmou que o chamado “serviço nacional universal” terá um orçamento próprio e que a sua implementação ficará sobre a alçada de vários ministérios, avança o “El Mundo”.

O presidente francês assegurou que o financiamento desse serviço obrigatório não afetará o orçamento de Defesa, que considerou “inédito” em 2018, com um aumento de 1,8% face ao ano anterior, até 34,2 mil milhões de euros.

Ciente da necessidade de reforçar a Defesa francesa, Macron reiterou a sua vontade de aumentar o orçamento anual da Defesa em 1,7 mil milhões até 2022 e em 3 mil milhões no ano seguinte, para que em 2025 represente 2% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

O presidente assegurou que as forças armadas serão modernizadas, em particular o sistema de dissuasão nuclear e os serviços de informação militar, e ao mesmo tempo preconizou uma maior cooperação com os demais países da União Europeia.

Neste sentido, Macron garantiu que o exército francês é “cada vez mais uma referência” no âmbito continental e considerou “imprescindível” a colaboração com a Alemanha e “essencial, apesar do ‘Brexit’, com o Reino Unido”, o outro país europeu que possui armas nucleares.

Recomendadas

Marcelo promulga com dúvidas salário mínimo de 635,07 euros na função pública

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou, embora expressando dúvidas sobre esta opção política, o decreto do Governo que atualiza de 580 para 635,07 euros o salário mínimo pago na função pública.

Portugal precisa de mais enfermeiros, realça a OCDE

Entre as recomendações que apresenta, a OCDE defende que a solução passa por apostar nos cuidados primários e para tal, “a disponibilidade de enfermeiros é essencial para assegurar cuidados primários e apoio domiciliários”.

Governo português “é quase uma exceção na Europa”, realça secretário-geral da OCDE

[O executivo de coligação português] provou ser um modelo muito eficaz, muito interessante”, frisou o secretário-geral da organização com sede em Paris, Angel Gurría.
Comentários