Madeira: Ação em tribunal mantém iluminação de natal e fim-de-ano em suspenso

Esta acção vem da empresa que ficou em segundo lugar no procedimento de ajuste directo referente ao contacto de iluminação de natal e fim-de-ano da Madeira.

A execução do contrato relativo à iluminação de natal e fim-de-ano, na Madeira, está suspenso, devido a uma acção colocada por uma das empresas que apresentou candidatura a este concurso. O executivo da Madeira diz que já invocou o interesse público para levantar esta suspensão acrescentando que vai recorrer a todas as instâncias para resolver esta situação.

A Secretaria Regional do Turismo e Cultura esclareceu, na passada quarta-feira as dúvidas em torno do contrato para a instalação da iluminação de Natal e Fim-de-ano na Madeira.

Em jeito de resumo foi aberto um concurso público que ficou deserto, devido às propostas apresentadas “padecerem de vícios”, diz a secretaria, o que obrigou o executivo, a recorrer ao ajuste directo.

Concluído este procedimento a adjudicação do contrato, para a iluminação de natal e fim-de-ano, foi para a empresa melhor classificada, sendo que esse mesmo contracto foi submetido ao tribunal de contas.

Contudo a empresa que ficou em segundo lugar neste procedimento de ajuste directo decidiu instaurar, refere a secretaria regional, uma ação administrativa de contencioso pré-contratual, que impede a execução do contrato, o que prática impede a empresa que venceu o concurso pro ajuste directo de instalar as iluminação de natal e fim-de-ano.

Nesse sentido, e invocando os prejuízos graves causados ao interesse público, que esta suspensão traz, defende o executivo madeirense, foram feitas diligência por parte da secretaria regional junto do Tribunal Administrativo e Fiscal do Funchal, com vista a levantar essa suspensão.

O executivo refere que vai recorrer a todas as instâncias no sentido de resolver esta situação.

Ler mais
Recomendadas

Deco alerta para contratações de prestação de serviços com recurso a créditos ao consumo

Antes de assinar um contrato de crédito ao consumo, o consumidor deve ser informado de forma clara sobre as características – comissões, prazo, taxas de juro, entre outras, para poder avaliar os encargos que suportará com esta contratação.

Mais de 10 anos após primeiras reivindicações ainda não há lei das tatuagens, alerta Deco

Nas visitas realizadas pela nossa equipa da revista PROTESTE a estúdios de tatuagens verificou-se que tatuar a pele de um menor sem a autorização dos pais não levanta qualquer constrangimento a muitos profissionais.

PAN quer no mínimo dois deputados na Assembleia da Madeira

As bandeiras do partido são a saúde, o combate à corrupção e tráfico de influências, a luta contra a pobreza e uma linha marítima entre a Madeira e o continente.
Comentários