Madeira: Ação em tribunal mantém iluminação de natal e fim-de-ano em suspenso

Esta acção vem da empresa que ficou em segundo lugar no procedimento de ajuste directo referente ao contacto de iluminação de natal e fim-de-ano da Madeira.

A execução do contrato relativo à iluminação de natal e fim-de-ano, na Madeira, está suspenso, devido a uma acção colocada por uma das empresas que apresentou candidatura a este concurso. O executivo da Madeira diz que já invocou o interesse público para levantar esta suspensão acrescentando que vai recorrer a todas as instâncias para resolver esta situação.

A Secretaria Regional do Turismo e Cultura esclareceu, na passada quarta-feira as dúvidas em torno do contrato para a instalação da iluminação de Natal e Fim-de-ano na Madeira.

Em jeito de resumo foi aberto um concurso público que ficou deserto, devido às propostas apresentadas “padecerem de vícios”, diz a secretaria, o que obrigou o executivo, a recorrer ao ajuste directo.

Concluído este procedimento a adjudicação do contrato, para a iluminação de natal e fim-de-ano, foi para a empresa melhor classificada, sendo que esse mesmo contracto foi submetido ao tribunal de contas.

Contudo a empresa que ficou em segundo lugar neste procedimento de ajuste directo decidiu instaurar, refere a secretaria regional, uma ação administrativa de contencioso pré-contratual, que impede a execução do contrato, o que prática impede a empresa que venceu o concurso pro ajuste directo de instalar as iluminação de natal e fim-de-ano.

Nesse sentido, e invocando os prejuízos graves causados ao interesse público, que esta suspensão traz, defende o executivo madeirense, foram feitas diligência por parte da secretaria regional junto do Tribunal Administrativo e Fiscal do Funchal, com vista a levantar essa suspensão.

O executivo refere que vai recorrer a todas as instâncias no sentido de resolver esta situação.

Ler mais
Recomendadas

Atenção às excursões. O barato pode sair caro, alerta Deco

Se comprou um produto e vem a arrepender-se, tratando-se de um contrato celebrado fora do estabelecimento comercial – o consumidor tem direito a resolver o contrato nos 14 dias subsequentes (a contar do dia em que o consumidor recebe esse produto).

O que fazer quando um crédito “desaparece” da Central de Responsabilidades

No caso de o crédito “desaparecer” da CRC não significa que a dívida deixou de existir, sendo que o consumidor mantém a sua responsabilidade perante a obrigação. Esta situação poderá ocorrer aquando da cessão de crédito (venda da dívida a terceiros), a favor de uma entidade fora do sistema financeiro, pelo que esta passa a assumir a posição de credor.

PSD quer zona franca e registo de navios incluídos em estratégia atlântica

O deputado do PSD, Paulo Neves, afirmou que o Centro Internacional de Negócios (CINM) e o Registo de Navios (MAR) são de enorme importância para o país, e por isso deveriam ser prioritários para o Governo da República.
Comentários