Madeira aprova por unanimidade voto de protesto por falta de aval da República

Em causa esteve a rejeição do Estado de um aval para um empréstimo de 458 milhões de euros, que a Madeira vai contrair, com o intuito de dar resposta aos efeitos provocados pela pandemia.

A Assembleia Legislativa da Madeira aprovou por unanimidade um voto de protesto ao Governo da República pela não concessão de um aval ao empréstimo de 458 milhões de euros para colmatar os efeitos da pandemia da covid-19 na região.

O líder da bancada da maioria do PSD, partido proponente da iniciativa, Jaime Filipe Ramos, afirmou ser “incompreensível” esta posição do Executivo socialista da República, visto ser conhecido “o destino do empréstimo”, o qual visava “dar respostas às famílias, às empresas, responder à saúde e à pandemia”.

O deputado do JPP Élvio Sousa corroborou da opinião, classificando de “inqualificável, egoísta e totalitária” a postura do Executivo central e o parlamentar do PCP, Ricardo Lume, declarou ser “incompreensível e lamentável esta falta solidariedade” do Estado para com a região.

Apesar de ter votado a favor, o líder da bancada do PS, Miguel Iglésias, contrapôs que a maioria na Madeira “insiste na política de guerrilha político-partidária”, opinando que o chefe do executivo madeirense chegou a “achincalhar o Presidente da República”, envolvendo-o neste processo.

Recomendadas

Sara Cerdas eleita eurodeputada do ano na categoria de saúde

A eurodeputada comprometeu-se a continuar a trabalhar “para tornar a saúde uma prioridade europeia e lutar por uma verdadeira União Europeia da saúde, que não deixe ninguém para trás”.

Açores registam 18 positivos e 71 recuperações de covid-19

Os Açores têm 367 casos positivos ativos, sendo 241 em S. Miguel, 120 na Ilha Terceira, dois no Pico, dois no Faial e dois nas Flores.

Madeira espera reanimação do turismo em dezembro

A Madeira tem 70 mil lugares em aviões para dezembro, disse presidente do Governo da Madeira. Miguel Albuquerque considera que o regresso dos estudantes e dos emigrantes, é um dos “períodos mais difíceis” para o controlo da pandemia, e apela a que se cumpra com as normas sanitárias.
Comentários