Madeira: CDS-PP considera que Novo Hospital e mobilidade não podem ficar de fora do Orçamento de Estado

Os centristas consideram ainda que não se pode continuar a adiar” a renegociação da taxa de juro do empréstimo com a República, e também os subsistemas de saúde.

O deputado do CDS-PP, António Lopes da Fonseca, considerou que o Orçamento de Estado, que vai ser discutido a partir de 16 de dezembro, não deve excluir dossiers como o financiamento do Novo Hospital, a mobilidade marítima e aérea, os juros do empréstimo contraído junto da República, e ainda os subsistemas de saúde.

O centrista refere que certos assuntos, referente à Madeira, devem ficar “claros e consolidados” no Orçamento de Estado, e que aquando da discussão do Orçamento se vai ficar a saber quais os compromissos que a República assumiu com a região é que vão ser cumpridos.

“É preciso clarificar a forma e estrutura de financiamento do novo hospital. é condição indispensável para adjudicar a obra e viabilizar a continuidade da candidatura do projeto ao financiamento do Banco Europeu de Investimento (BEI)”, disse António Lopes da Fonseca.

Na discussão plenária que decorre na Assembleia Regional, o centrista disse ainda que a mobilidade aérea e marítima não devem ficar de fora do Orçamento de Estado.

António Lopes da Fonseca defende que a regulamentação do subsídio de mobilidade aérea dispensa a criação de um grupo de trabalho. O centrista refere ainda que tem dúvidas que em 2020 se passe a pagar somente os 86 euros nas viagens aéreas entre Continente e Madeira.

O centrista afirmou ainda que se “é preciso fazer estudo de viabilidade, sobre o ferry, cujos resultados já calculamos quais sejam, então a Madeira não vai ter ferry em 2020”.

O deputado do CDS-PP sublinhou ainda que “não se pode continuar a adiar” a renegociação da taxa de juro do empréstimo com a República, e também os subsistemas de saúde.

Ler mais
Recomendadas

Prendas e donativos acima de 500 euros são taxados pelo Fisco

Imaginemos que pelo seu casamento recebe como presente um cheque de mil euros, a lei obriga que o(s) beneficiário(s) desse valor declarem no modelo 1 das finanças e procedam ao pagamento de 10% desse valor, isto é, cem euros.

Câmara do Funchal distingue melhores presépios ecológicos

“Este ano tivemos 54 presépios a concurso, um recorde de participação, o que para nós é motivo de muita satisfação, pois é a certeza de que o nosso trabalho em prol da causa ecológica está a surtir efeito, sendo que, mantemos também acesa a tradição do Natal madeirense, com a construção dos presépios”, salientou Idalina Perestrelo.

Sara Madruga da Costa defende direito dos sem-abrigo a uma morada e ao cartão de cidadão

“É ao Governo que gere e administra o cartão de cidadão que incumbe encontrar uma solução urgente “, referiu.
Comentários