Madeira: CDS-PP propõe seguro social voluntário que inclua Diáspora

Os centristas consideram que esta medida possibilita ao Estado dar igualdade de direitos a todos os portugueses, que residem fora como aos que residem em Portugal, “evitando diferenciações” pelo seu local de residência.

O CDS-PP Madeira vai propor, à Assembleia da República, um seguro social voluntário que inclua a Diáspora. Os centristas defendem que esta alteração “é da mais elementar” justiça e possibilita ao Estado dar igualdade de direitos a todos os portugueses, que residem fora como aos que residem em Portugal, “evitando diferenciações” pelo seu local de residência.

A deputada do CDS-PP, Ana Cristina Monteiro, diz que esta alteração não gera nenhum custo para o Estado, e prevê que os portugueses que residente fora do pós passam voluntariamente aceder a este seguro social voluntário através de “uma contribuição calculada” nos termos da própria lei.

“Aqueles países que estão numa situação de incerteza social e económica, onde se inclui a Venezuela, poderiam voluntariamente, prever o seu futuro”, acrescenta.

Com esta medida os centristas dizem que o Estado, sem qualquer tipo de custos, poderá valorizar a Diáspora e fortalecer o sistema da Segurança Social devido ao aumento das contribuições.

Recomendadas

Deco mostra dúvidas sobre preços praticados nas teleconsultas

Relativamente às consultas do setor privado, a DECO tem registado algumas dúvidas sobre os preços praticados. A principal relaciona-se com a justiça de uma consulta por videochamada apresentar o mesmo custo económico para o utente. Essa é uma questão que deve ser respondida com urgência.

Madeira: eurodeputada do PS quer abordagem transversal na saúde

A eurodeputada Sara Cerdas defendeu que a ausência de políticas para a saúde e bem-estar tem gerado “graves consequências” para todos os cidadãos e para os sistemas de saúde dos Estados Membros, e pediu “uma maior aposta” na saúde em todas as políticas, que inclua uma visão mais abrangente dos desafios, não só os relacionados com a pandemia, mas que seja transversal a outros setores.

JPP quer trabalhadores da economia informal incluídos nos apoios do Fundo de Emergência Social

O partido diz que no casos dos trabalhadores que não se encontravam enquadrados nos sistema de Segurança Social, estes foram “duplamente penalizados” porque não têm forma de provar perda de rendimentos devido à pandemia, pelo que não elegíeis para vários tipos de apoios, entre os quais o Fundo de Emergência Social.
Comentários