Madeira celebra contrato-programa com ‘Os Especiais’ e projeto ‘Dançando com a Diferença’

Os projetos vão receber 10 mil euros com o intuito de fomentar atividades com pessoas com deficiência ou incapacidade e para promoção da dança inclusiva.

O Governo Regional decidiu autorizar a celebração de um contrato programa como o Clube Desportivo ‘Os Especiais’ e ainda com o projeto ‘Dançando com a Diferença’. Estas instituições vão receber cada uma 10 mil euros para a realização de várias atividades.

O contrato-programa com ‘Os Especiais’ visa entre outras coisas fomentar actividades “com deficiência ou incapacidade” e ainda a promoção de experiências “do treino físico-motor e desportivo” em estabelecimentos de educação e nas instituições de educação especial.

Já o acordo celebrado com o ‘Dançando com a Diferença’ tem por objetivo promover a dança inclusiva e ainda fomentar o “apoio terapêutico, educacional e artístico” a crianças e jovens com deficiência e de projetos em parceria com estabelecimento de ensino.

Foi ainda celebrado mais um contrato-programa com a Associação Sócio-Cultural Alternativas Jovens, no valor de 2 mil e 500 euros, para a implementação do ‘Valorizar +’ que se insere no Programa de Inovação e Transformação Social.

Recomendadas

Funchal distinguido com bandeira verde ECO

A distinção foi feita pela Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE), e leva em conta fatores como a educação ambiental, a sustentabilidade, a gestão dos resíduos, a mobilidade sustentável, a eficiência energética.

Madeira tem de encontrar novas experiências e segmentos no turismo

Durante a conferência da APAVT o consultor da EY, Augusto Mateus, defendeu que a madeira é “muito competente” em determinado tipo de turismo, mas que “isso não é suficiente” para a missão da Madeira.

Força de trabalho na Madeira com mais pessoas e melhor remunerados

O salário médio na Madeira atingiu mil euros e 78 cêntimos, mais 1,4%, face ao período homólogo, sendo que as empresas com maior dimensão foram as que melhor pagavam. 81% estavam afetos ao sector terciário.
Comentários