Madeira: comissão de Economia quer ouvir Pedro Calado e Grupo Sousa sobre ferry

A Assembleia Legislativa da Madeira quer ainda ouvir sobre o ferry a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes.

A Comissão de Economia, Finanças e Turismo da Assembleia Legislativa da Madeira decidiu chamar Pedro Calado, vice-presidente do executivo madeirense, para prestar esclarecimento relativamente ao ferry.

Entre outras entidades que também vão passar pela comissão estão: a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes e a Empresa de Navegação Madeirense.

“Foi do entendimento da comissão que seria mais útil a presença de quem tem a tutela direta, de quem regula e de quem presta o serviço”, esclareceu Carlos Rodrigues, presidente da comissão de Economia, Finanças e Turismo.

Os pedidos de audição do PS e JPP, que pediam a presença de Miguel Albuquerque, presidente do Governo Regional, na comissão para prestar esclarecimentos sobre o ferry foi chumbada.

Carlos Rodrigues explicou que o chumbou se deveu à presença de Albuquerque, no debate mensal, na Assembleia da Madeira, que se realiza em dezembro, e que nessa ocasião o governante poderá prestar esclarecimentos sobre o ferry, caso os partidos assim o entendam.

De referir que o Grupo Sousa, que detém a Empresa de Navegação Madeirense, que explorava a ligação marítima, por ferry, entre a Madeira e o Continente, decidiu rescindir o contrato que possuía com o executivo madeirense para esta operação marítima, como avançou o Diário de Notícias da Madeira.

Os motivos invocados pelo Grupo Sousa, conforme disse a mesma publicação, está a indisponibilidade em suportar os prejuízos provocados pela ligação marítima entre o Continente e a Madeira, que são estimados de 1,9 milhões de euros.

O Governo Regional da Madeira já disse que ia avançar com um estudo de mercado, no sentido de avaliarmos da possibilidade de ter ligação marítima entre a Madeira e o Continente.

Ler mais
Recomendadas

Deco mostra dúvidas sobre preços praticados nas teleconsultas

Relativamente às consultas do setor privado, a DECO tem registado algumas dúvidas sobre os preços praticados. A principal relaciona-se com a justiça de uma consulta por videochamada apresentar o mesmo custo económico para o utente. Essa é uma questão que deve ser respondida com urgência.

Madeira: eurodeputada do PS quer abordagem transversal na saúde

A eurodeputada Sara Cerdas defendeu que a ausência de políticas para a saúde e bem-estar tem gerado “graves consequências” para todos os cidadãos e para os sistemas de saúde dos Estados Membros, e pediu “uma maior aposta” na saúde em todas as políticas, que inclua uma visão mais abrangente dos desafios, não só os relacionados com a pandemia, mas que seja transversal a outros setores.

JPP quer trabalhadores da economia informal incluídos nos apoios do Fundo de Emergência Social

O partido diz que no casos dos trabalhadores que não se encontravam enquadrados nos sistema de Segurança Social, estes foram “duplamente penalizados” porque não têm forma de provar perda de rendimentos devido à pandemia, pelo que não elegíeis para vários tipos de apoios, entre os quais o Fundo de Emergência Social.
Comentários