Madeira: deputado do PS pede entendimento alargamento sobre plano de recuperação

O deputado Carlos Pereira diz que é preciso “deixar cair divergências políticas e romper com preconceitos ideológicos”, de modo a “olhar com dignidade e sentido de responsabilidade o nosso Portugal real”.

O deputado do PS, eleito à Assembleia da Madeira, apelou a um entendimento alargado relativamente ao plano de recuperação. Carlos Pereira defende que tem de existir uma capacidade extrema para “deixar cair divergências políticas e romper com preconceitos ideológicos, para olhar com dignidade e sentido de responsabilidade o nosso Portugal real”.

O socialista reforçou que este clima de incerteza provocado pela pandemia, e ainda a degradação progressiva e abrupta dos indicadores económicos e sociais “exige de nós uma nova atitude, um novo homo politicus”.

Carlos Pereira entende que divergir incondicionalmente no essencial do Plano é comprometer a sua execução rápida e eficaz, e é também diminuir a força que o país terá na defesa dos seus interesses em Bruxelas. “Não falharemos enquanto nação, mas seremos mais ou menos bem-sucedidos se superarmos juntos ou em divergência, respetivamente, esta colossal prova de capacidade e inteligência”.

O deputado do PS sublinhou que os socialistas, no sentido de construir convergência, ouviram o autor do programa, os responsáveis políticos, e propuseram criar uma Comissão Eventual para que todos possam acompanhar a sua execução. Carlos Pereira reforçou que existe espaço para que se possa convergir no interesse do país acrescentando que os portugueses exigem essa responsabilidade.

“Estarmos juntos e em convergência significa também dizer não a condicionalidades impostas pela União Europeia e contribuir para estabelecer metas, prioridades e objetivos. Somos nós e não os outros, que vêm de fora, que estabelecem os parâmetros que defendem os portugueses. Estarmos juntos significa também envolver o país inteiro na execução do Plano, descentralizando e dando mecanismos para que, ao nível infra-estadual, da Região e da autarquia, por exemplo, não haja nenhum vazio operacional. Estarmos juntos quer dizer que somos capazes de convergir na remoção dos obstáculos à execução deste programa ambicioso que triplica os meios financeiros disponíveis por ano”, afirmou.

Recomendadas

Madeira tem duas situações Covid-19 a serem rastreadas

Miguel Albuquerque referiu que está então a ser feito um trabalho de monitorização e testagem de toda a cadeia de contactos desses dois cidadãos, “no sentido de se prevenir uma situação que se pode eventualmente agravar”.

Madeira: “Não serão autorizados adeptos nos estádios em nenhuma circunstância”, diz Miguel Albuquerque

Estas medidas vão vigorar por 30 dias, sendo reavaliadas findo esse período.

Madeira: Hotéis vão passar a pagar ao IASaúde montantes que recebem dos turistas infetados

Esta medida impõe-se “no sentido de haver uma justa comparticipação nas despesas inerentes ao funcionamento destas mesmas unidades Covid”, referiu o Presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque.
Comentários