Madeira e Canárias defendem que controlo sanitário deve ser sempre feito na origem das viagens

Os governos da Madeira e de Canárias querem afirmar esta posição internacionalmente, e “continuar a fazer ver junto da União Europeia que as Regiões Ultraperiféricas têm especificidades próprias que justificam esta defesa”, e alertaram para a necessidade de reforço dos fundos europeus para fazer face aos constrangimentos provocados pelo coronavírus.

Foto ANA

Os Governos da Madeira e de Canárias reuniram-se na passada quarta-feira. Em discussão estiveram as acessibilidade, numa ocasião em que ambos os executivos concordaram que o controlo sanitário deve ser sempre feito na origem das viagens.

“Ficou decido evoluir no sentido de afirmar internacionalmente esta mesma posição comum, e, simultaneamente, continuar a fazer ver junto da União Europeia que as Regiões Ultraperiféricas têm especificidades próprias que justificam esta defesa, e igualmente, relevar a necessidade de um reforço dos fundos europeus para fazer face aos constrangimentos da Covid-19 nestes territórios insulares”, refere o executivo madeirense.

Foram ainda discutidas outras foram de colaboração, entre as quais as ligações aéreas entre a Madiera e Canárias que são feitas pela Binter.

O executivo madeirense acredita que desta reunião “resulta um espaço de progressão nesta parceria atlântica, de relevante interesse”, acrescentando que após esta reunião se vai procurar formalizar e repercutir os temas abordados para defesa dos interessas de ambas as populações.

Recomendadas

Madeira assina acordos de 716 mil euros com estabelecimentos de ensino

O executivo madeirense aprovou três adendas de 139 mil euros, 136 mil euros, e 439 mil euros, com estabelecimentos de ensino.

Madeira mantém dois casos ativos e alerta para “desconfinamento inseguro” no país

Pedro Ramos destacou a operação de rastreio de viajantes nos aeroportos da Madeira e Porto Santo, em vigor desde o dia 01 de julho, na sequência de uma resolução do executivo, de coligação PSD/CDS-PP, que substituiu o regime de quarentena pela obrigatoriedade de os passageiros apresentarem um teste negativo realizado até 72 horas antes do início da viagem, ou, então, a efetuá-lo à chegada.

Hospital dos Marmeleiros beneficia de empreitada de reabilitação de interiores

A obra tem um custo de 1,4 milhões de euros, tem um prazo de 20 meses, e está a cargo da RIM – Engenharia e Construções.
Comentários