Madeira: eurodeputada do PS quer abordagem transversal na saúde

A eurodeputada Sara Cerdas defendeu que a ausência de políticas para a saúde e bem-estar tem gerado “graves consequências” para todos os cidadãos e para os sistemas de saúde dos Estados Membros, e pediu “uma maior aposta” na saúde em todas as políticas, que inclua uma visão mais abrangente dos desafios, não só os relacionados com a pandemia, mas que seja transversal a outros setores.

A eurodeputada madeirense eleita pelo PS, Sara Cerdas, pede uma abordagem transversal na saúde, que seja baseada em políticas integradas e intersetoriais, durante a apresentação da estratégia do Conselho da União Europeia para a saúde, por parte de Jens Spahn, Ministro da Saúde da Alemanha.

“Devemos parar de olhar para a saúde como um custo e um fardo, mas sim como um investimento nas pessoas e na sociedade. 2020 marca o ano em que o mundo, os cidadãos e especialmente os políticos, estão mais conscientes para a verdadeira importância da saúde e bem-estar e o seu impacto como pedra basilar na sociedade”, afirmou Sara Cerdas.

A eurodeputada socialista diz que a ausência de políticas para a saúde e bem-estar tem gerado “graves consequências” para todos os cidadãos e para os sistemas de saúde dos Estados Membros.

“As ações de saúde pública devem ser transversais a todas as políticas, não apenas aquelas diretamente ligadas à saúde”, defendeu.

Sara Cerdas diz que por cada euro investido em políticas de saúde pública, “o retorno a longo prazo é 14 vezes superior”, pelo que a eurodeputada socialista pede “uma maior aposta” na saúde em todas as políticas, que inclua uma visão mais abrangente dos desafios, não só os relacionados com a pandemia, mas que seja transversal a outros setores, como a promoção de um estilo de vida saudável e o reforço das políticas sociais de forma a melhorar os determinantes sociais em saúde em todas a regiões e países da União Europeia.

Recomendadas

Madeira: PS defende Plano Regional de Saúde Mental Escolar e mais recursos para os estabelecimentos de ensino

Na ótica do deputado socialista, este trabalho deverá ser feito não só dentro da escola, mas deve envolver também os centros de saúde, o SESARAM, outros técnicos e enfermeiros desta especialidade.

16% da população empregada da Madeira diz ter trabalhado a partir de casa

Daqueles que reportarem ter estado em teletrabalho, 88% diz que o principal motivo se deveu à pandemia, enquanto que no território nacional a percentagem subiu para os 91%.

Governo Regional da Madeira aprova 84 mil e 500 euros em contratos-programa

São três contratos-programa no valor de 60 mil, 15 mil e 9 mil e 500 euros.
Comentários