Madeira: exportações crescem 48,6% e importações 9,6%

Em 2017, o saldo comercial das transações de bens registou um superavit de cerca de 5,6 milhões de euros, um máximo histórico que não se registava desde 1976.

Peter Nicholls/Reuters

Quer as exportações, quer as importações registaram um aumento em 2017, de 48,6% e 9,6% respetivamente. Os dados da Direção Regional de estatística da Madeira (DREM) revelam que, em termos globais, as exportações superaram os 146,7 milhões de euros, enquanto as importações rondaram os 141,2 milhões de euros, traduzindo uma taxa de cobertura das importações pelas exportações de 103,9%, mais 76,7% do que em 2016.

Os indicadores provisórios de 2017 relativos ao Comércio Internacional de Bens mostram que o saldo comercial das transações de bens registou um superavit de cerca de 5,6 milhões de euros, um máximo histórico desde 1976, altura em que começaram a existir dados disponíveis.

O saldo positivo na Balança Comercial com o estrangeiro em 2017 sucede ao défice de 30,0 milhões de euros registados em 2016. Segundo a DREM, o aumento das exportações foi determinado pelas transações comerciais de bens com os países Extra-UE, que passaram de 64,3 milhões de euros em 2016 para 105,9 milhões de euros em 2017. As exportações para países Intra-UE rondaram os 40,8 milhões de euros em 2017, valor acima dos 34,5 milhões de euros contabilizados em 2016.

A Direção Regional de Estatística realça que o crescimento verificado ao nível das importações de bens foi transversal aos dois tipos de comércio, o intra e o extracomunitário. No primeiro caso, as importações atingiram os 122,9 milhões de euros no ano de 2017, 7,6 milhões de euros acima do contabilizado no ano precedente. Por sua vez, as aquisições feitas a países Extra-UE aumentaram de 13,4 milhões de euros em 2016 para 18,3 milhões de euros em 2017.

Recomendadas

PSD diz que a Madeira “pode orgulhar-se” de ser a primeira no País a avançar com estatuto do cuidador informal

João Paulo Marques diz que a proposta “prova” que o Governo Regional tem a intervenção e o apoio social como áreas prioritárias de governação, “não só apoiando quem mais precisa, mas, com o estatuto do cuidador informal, cuidando de quem cuida e dando condições para que os familiares possam cuidar dos seus doentes em casa, que é onde deles precisam e onde merecem estar”.

Madeira espera subida para 40% na produção de eletricidade através de energia renovável

Esta produção deve subir com a construção da barragem do Paul da Serra e no Túnel do Pedregal.

Greve da função pública fecha escolas na Madeira

A Educação e a Saúde são os setores mais afetados pela greve na Madeira. Ricardo Gouveia, do Sindicato de Trabalhadores da Função Pública da RAM, refere que estes são os serviços onde há mais falta de recursos humanos e carência de pessoal. Quanto aos Hospitais da Região, o Sindicato diz que a adesão anda à volta dos 75%.
Comentários