Madeira já administrou 17.521 vacinas contra a covid-19

Do total de vacinas administradas 12.262 correspondiam à primeira dose e 5.259 à segunda dose. Os profissionais de saúde são o grupo com mais vacinas administradas. Estes profissionais já receberam 5.207 vacinas correspondentes à primeira dose e 2.921 vacinas correspondentes à segunda dose.

A Madeira administrou, até 19 de fevereiro, 17.521 vacinas contra a covid-19. 12.262 correspondiam à primeira dose e 5.259 à segunda dose, de acordo com os dados da Direção Regional de Saúde (DGS).

Por grupos os profissionais da Saúde já receberam 5.207 vacinas correspondentes à primeira dose e 2.921 vacinas correspondentes à segunda dose.

Os profissionais da área social, residentes e utentes em lares, instituições similares e rede de cuidados continuados já receberam 3.090 vacinas correspondentes à primeira dose e 2.215 vacinas correspondentes à segunda dose.

Já os profissionais da proteção civil, segurança, e serviços cr´5icos já receberam 709 vacinas correspondentes à primeira dose e 123 vacinas correspondentes à segunda dose.

Nos utentes com idade entre 50 e 79 anos e utentes com idade superior ou igual a 80 anos já foram dadas 3.232 vacinas correspondentes à primeira dose e ainda não tinha sido administrada nenhuma vacinas correspondente à segunda dose.

Já foram administradas 24 vacinas a entidades governamentais.

Esta semana vai continuar a vacinação de grupos prioritários, onde se inclui idosos com mais de 80 anos e idosos com idades entre os 75 e os 79 anos com patologia.

Recomendadas

OMS e Instituto Pasteur ajudam Cabo Verde na sequenciação genómica da Ómicron

A presidente do INSP avançou que o país já tem kits de testes que permitem detetar a circulação de algumas variantes de preocupação, incluindo a Ómicron, mas está igualmente em concertação com Instituto Pasteur de Dacar, para rastrear estas e outras variantes que possam vir a surgir.

“Brexit? Reino Unido está a incumprir claramente com coisas que assinou”, realça Francisco Seixas da Costa

“Há aqui uma tensão que tem a ver claramente com o fim do Brexit, tem a ver com a questão da liderança na Europa que nunca desapareceu nesta relação entre a França e o Reino Unido”, destacou o embaixador Francisco Seixas da Costa no programa “A Arte da Guerra”, da plataforma multimédia JE TV.
médicos saúde pública

Covid-19. Crianças “não estão isentas de ter doença grave”, diz especialista

Em entrevista ao Jornal Económico (JE) e quando questionado sobre a vacinação das crianças, Ricardo Mexia respondeu que: “A indicação que temos é de que as vacinas são seguras e eficazes”.
Comentários