Madeira mantém aulas presenciais em vários níveis porque contaminação é “residual”

Em 11 de janeiro, o executivo madeirense, de coligação PSD/CDS-PP, decidiu suspender as aulas presenciais no 3.º ciclo e no ensino secundário em todas as escolas da região autónoma até pelo menos 31 de janeiro, mantendo em funcionamento normal os restantes níveis. “Até à data, foram tomadas medidas profiláticas, neste universo de 27 mil, relativamente a 995 pessoas, o que significa 3,5%”, disse Miguel Albuquerque, sublinhando que os números demonstram que a escola continua a ser o “local mais seguro” para os jovens permanecerem.

O presidente do Governo da Madeira, Miguel Albuquerque, confirmou que as aulas presenciais vão ser mantidas em vários níveis de ensino, porque o número de infetados pelo novo coronavírus não justifica a sua suspensão.

“Neste momento, nas creches, nos jardins de infância, no pré-escolar, no 1.º e 2.º ciclos, ensino profissional e ensino especial detetamos até agora apenas 31 casos positivos em alunos e 14 em docentes e funcionários”, explicou Miguel Albuquerque, salientando que “é um número residual.”

O governante, que falava à margem de uma visita ao Serviço de Proteção Civil da Madeira, no Funchal, onde entregou 11 viaturas ao corpo da Polícia Florestal, referiu que estes níveis de ensino representam um universo de 27 mil alunos, professores e funcionários, no total regional de 53 mil.

Em 11 de janeiro, o executivo madeirense, de coligação PSD/CDS-PP, decidiu suspender as aulas presenciais no 3.º ciclo e no ensino secundário em todas as escolas da região autónoma até pelo menos 31 de janeiro, mantendo em funcionamento normal os restantes níveis.

“Até à data, foram tomadas medidas profiláticas, neste universo de 27 mil, relativamente a 995 pessoas, o que significa 3,5%”, disse Miguel Albuquerque, sublinhando que os números demonstram que a escola continua a ser o “local mais seguro” para os jovens permanecerem.

O chefe do executivo indicou, no entanto, que o Conselho do Governo Regional vai “clarificar”, na reunião de quinta-feira, algumas das restrições que entraram em vigor em 13 de janeiro, nomeadamente ao nível da concentração de pessoas em bares e restaurantes, que agora encerram às 18:00.

“Não vamos restringir ninguém, nem vamos restringir a atividade económica, mas vamos tornar muito transparente em que condições as pessoas podem permanecer nos bares a beber”, explicou, salientando que a fiscalização será também reforçada.

De acordo com os dados mais recentes, o arquipélago da Madeira regista 1.735 casos ativos de covid-19. Desde o início da pandemia já morreram 31 pessoas.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.058.226 mortos resultantes de mais de 96,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 9.465 pessoas dos 581.605 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Ler mais
Recomendadas

Da CMVM à SDM: saiba quais as entidades que vão ser ouvidas sobre a Zona Franca

A Comissão de Orçamento e Finanças aprovou também a pronúncia da associação Transparência e Integridade e o Governo da Madeira.

Assembleia da Madeira dá 15 dias a parceiros sociais para se pronunciarem sobre descongelamento das carreiras de técnicos de diagnóstico e terapêutica

A comissão de Saúde e Assuntos Sociais aprovou ainda a subida a plenário de um Projeto de Resolução, do PCP, sobre a promoção da saúde mental em contexto covid-19, e aprovou a redação final da resolução sobre a inclusão das Novas Substâncias Psicoativas na Lei de Combate à Droga.

Presidente da SDM confirma que desde janeiro não se podem registar novas empresas na Zona Franca

O presidente da SDM, confirmou o que tinha sido avançado pelo Jornal Económico/Económico Madeira, tendo aproveitado para criticar o Governo da República por “não ter feito o trabalho de casa”, e acusou o executivo nacional de ter apresentado um Estatuto dos Benefícios Fiscais que poderia ter dado uma “machada final” na Zona Franca.
Comentários