Madeira não vai esperar pela recomendação da DGS para começar a vacinar crianças

“A Madeira, com a recomendação da Agência Europeia do Medicamento (EMA), iniciará, com toda a logística e todo o planeamento estratégico, que já está a ser preparado, a vacinação logo que as vacinas chegarem a Portugal”, referiu o governante durante uma conferência de imprensa.

Centenas de adolescentes residentes na Madeira afluíram hoje ao Centro de Vacinação do Funchal para serem vacinados contra a covid-19, sendo esta a primeira região começar a inocular a partir dos 12 anos. HOMEM DE GOUVEIA/LUSA

A Região Autónoma da Madeira não vai esperar pela recomendação da Direção Geral da Saúde (DGS) para começar a vacinar as crianças dos cinco aos onze anos, informou esta quarta-feira, 24 de novembro, o Secretário Regional da Saúde, Pedro Ramos.

“A Madeira, com a recomendação da Agência Europeia do Medicamento (EMA), iniciará, com toda a logística e todo o planeamento estratégico, que já está a ser preparado, a vacinação logo que as vacinas chegarem a Portugal”, referiu o governante durante uma conferência de imprensa.

Pedro Ramos salientou que a primeira remessa de vacinas para as crianças dos cinco aos onze anos chegará a Portugal a 20 de dezembro, num total de 300 mil doses, sendo que à RAM cabem 7.500 doses da Pfizer.

“Aquilo que posso dizer é que estamos atentos e preparados para iniciar a vacinação de todas as crianças que possam ser vacinadas com autorização dos pais, seguindo as recomendações da EMA”, frisou.

O governante destacou que muitos países, como os Estados Unidos, Israel, o Chile, Cuba, a China, a Argentina e a Colômbia, já estão a vacinar as crianças desta faixa etária, vincando que estas vacinas para as crianças são diferentes e têm um excipiente diferente das vacinas administradas aos adultos.

Pedro Ramos salienta que na Região há 14.715 crianças entre os cinco e os onze anos de idade e que neste momento as autoridades de saúde da Região estão a calcular a distribuição das vacinas pelos vários concelhos.

O governante frisa que só no mês de novembro, entre os 1.083 casos de Covid-19 registados na Região, 11% dos infetados eram crianças e que a nível nacional o escalão etário entre os zero e os nove anos é o que regista maior número de infetados.

Por isso, “justifica-se começarmos a vacinar rapidamente este nicho da população, reservatório de doença, transmissor de doença e que precisa de estar protegido”, vinca.

Tal como aconteceu com as vacinas para os adultos, “as crianças com cormobilidades e situações específicas” serão as primeiras a ser vacinadas.

“Serão preparados ambientes próprios de vacinação nos centros de vacinação e esta foi a principal razão para nós não termos desativado os centros de vacinação aqui na Região, precisamente porque sabíamos que a pandemia não estava ainda acabada e sabíamos que havia essa possibilidade de as crianças serem vacinadas”, refere.

[Atualizada às 18h51]

Recomendadas

Covid-19. África do Sul ultrapassa três milhões de infeções

A África do Sul, que detetou a nova variante Ómicron e está a entrar na quarta vaga da pandemia, com um aumento exponencial de novas infeções, ultrapassou esta sexta-feira os três milhões de infeções pelo coronavírus SARS-CoV-2, segundo números oficiais.

Portugal regista mais 2.535 casos positivos e 21 mortes por Covid-19

Nas últimas 24 horas, foram retiradas 14 pessoas em enfermaria, para um total de 902. Nos cuidados intensivos foi colocado mais um doente (129 no total).

OMS diz que medidas aplicadas para travar variante Delta devem funcionar com Ómicron

O diretor regional da OMS para o Pacífico Ocidental alertou ainda que “enquanto a transmissão continuar, o vírus pode continuar a sofrer mutações”.
Comentários