Madeira: “O Orçamento Regional só não é melhor por causa da República”, diz CDS

Lopes da Fonseca afirma ainda “não termos tido solidariedade nenhuma vinda da República” durante a pandemia, e mencionou a dívida “de mais de 63 milhões de euros que o estado nos deve”.

Créditos: Élvio Fernandes

Numa intervenção hoje na Assembleia Legislativa da Madeira, o líder parlamentar do CDS-PP, António Lopes da Fonseca, afirmou vivermos em  “tempos desafiantes” devido à pandemia e à crise política da República, alertando para o facto deste último poder influenciar negativamente a Região Autónoma da Madeira, nomeadamente no Orçamento Regional.

Lopes da Fonseca afirma ainda “não termos tido solidariedade nenhuma vinda da República” durante a pandemia, e mencionou a dívida “de mais de 63 milhões de euros que o Estado nos deve”.

Não obstante, o deputado refere alguns pontos positivos no Orçamento Regional, nomeadamente a redução da carga fiscal do IRS para todos os escalões, o apoio a empresas, numa linha de crédito de 52 milhões de euros, a expansão da rede de cuidados continuados na ordem dos nove milhões de euros.

O deputado concluiu com um apelo aos portugueses que, em janeiro, “mudem o paradigma” no Governo da República.

Recomendadas

Covid-19: Albuquerque considera desnecessário aplicar medidas do continente

Desde 27 de novembro, segundo uma resolução do executivo madeirense, pode ser exigido na região teste antigénio negativo, com validade semanal, em alguns casos cumulativamente com certificado de vacinação contra a Covid-19, para acesso a vários espaços abertos e fechados, como restaurantes e ginásios.

Câmara do Funchal disponibiliza testes de antigénio a comerciantes do Mercado dos Lavradores

A testagem será feita através do protocolo já existente com os Serviços Médicos de Urgência, que compreende um stand de testes de antigénio aos visitantes do Mercado dos Lavradores.

Anunciadas novas regras de combate à atividade financeira não autorizada e de proteção dos consumidores

Este diploma é de especial relevância na defesa e proteção dos direitos e interesses dos consumidores considerando os perigos e os efeitos devastadores na vida financeira, social e familiar que tem o recurso a entidades não autorizadas.  
Comentários