Madeira: Oposição critica não obrigação de utilização de produtos regionais em proposta sobre sidra da Madeira

A proposta foi apresentada pelo Secretário Regional da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Humberto Vasconcelos, que salientou o facto de a produção de sidra ter alcançado no último ano cerca de 345 mil litros, num valor de mercado de aproximadamente 1,7 milhões de euros e envolvendo perto de 360 produtores.

Os partidos que suportam o Governo Regional, PSD e CDS, aprovaram esta quarta-feira em Plenário na Assembleia Legislativa da Madeira uma proposta de decreto legislativo regional para a classificação da sidra da Madeira e também dos vinagres de sidra e de maçã regionais, proposta que teve abstenção da parte dos partidos da oposição, nomeadamente por considerarem que não está explícita a obrigação da utilização de produtos regionais.

A deputada do PS Sílvia Silva destacou que, apesar da garantia do Secretário Regional da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Humberto Vasconcelos, não há nenhum artigo que obrigue a que a produção seja feita com fruta da Madeira, solicitando, desta forma, a alteração na especialidade.

Rafael Nunes, do Juntos pelo Povo (JPP), salientou que “não faz parte deste diploma a discriminação positiva da fruta com origem regional, abrindo portas à utilização de matéria-prima importada em prejuízo dos nossos agricultores”.

Por outro lado, o deputado do PCP Ricardo Lume, questiona o Governo sobre a possibilidade de as sidrarias tradicionais e os produtores que têm sidrarias nas suas casa continuarem a produzir.

Relacionadas

Madeira: PSD e CDS aprovam classificação da sidra da Madeira

De referir que o Governo Regional, já no âmbito desta política inaugurou a primeira sidraria deste projeto, em Santo António da Serra.
Recomendadas

Saiba como funciona o regime temporário e excecional relativo aos contratos de seguro

Esta medida prevê a suspensão do regime da imperatividade absoluta aplicada aos prémios de seguros, ou seja, da obrigatoriedade de prévio pagamento do prémio para que o risco seja coberto, permitindo que o segurado (tomador do seguro) não fique sem cobertura do risco quando não paga o seguro (imperatividade relativa).

Presidente do Marítimo discorda do desfecho diferente entre I e II Liga

O dirigente ‘verde rubro’ acrescentou que o apoio que as equipas da II Liga receberam condicionou a posição desses mesmos clubes nesta contestação.

Madeira: PS defende Orçamento Suplementar focado no apoio às empresas e emprego

O Ps Madeira defende medidas como a suspensão da lei de finanças regionais de modo a permitir mais endividamento, a extensão do lay-off, apoio extraordinário ao setor do Turismo.
Comentários