Madeira prolonga situação de calamidade até final de setembro

A região decidiu manter as atuais medidas de prevenção da pandemia de coronavírus, como por exemplo o uso de máscara, mas decidiu aliviar algumas restrições através do alargamento do horário do recolher obrigatório e do fecho dos estabelecimentos.

O conselho de Governo da Madeira prolongou a situação de calamidade, até final de setembro, e manter as atuais medidas de contenção da pandemia da Covid-19. Contudo decidiu aliviar as restrições relativas ao recolher obrigatório que passa das 01:00 para as 02:00 da madrugada e prolonga-se até às 05:00 da madrugada, enquanto que o encerramento dos estabelecimentos passa da meia-noite para as 01:00 da madrugada.

A região tem 362 casos ativos de coronavírus, de acordo com os dados da Direção Regional de Saúde (DRS).

Dos casos ativos, 72 são importados e 286 de transmissão local. 92 pessoas estão em isolamento em unidade hoteleira, 261 no alojamento, e cinco estão hospitalizadas no Hospital Dr. Nélio Mendonça (quatro em Unidades Polivalentes e uma na Unidade de Cuidados Intensivos dedicada à Covid-19).

Em vigilância ativa devido a contactos com casos positivos estão 684 pessoas, e 43.385 pessoas estão também a ser acompanhadas pelas autoridades, com recurso à aplicação MadeiraSafe.

A operação de rastreio de viajantes nos portos e aeroportos da região já realizou 296.246 colheitas para teste de RT-PCR à Covid-19, e o laboratório de Patologia Clínica do SESARAM, EPERAM já realizou 586.512 testes ao coronavírus.

A Linha SRS24 (800 24 24 20) já recebeu 62.107 chamadas e a Linha de Apoio Psicológico da Direção Regional da Saúde (291 212 399) já realizou 3.833 atendimentos.

Recomendadas

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.

Pandemia com tendência crescente entre população acima dos 80 anos

Apesar de manter uma intensidade reduzida e incidência estável, o que resulta em baixa mortalidade e pressão nos serviços de saúde, a pandemia volta a dar sinais de crescimento em quase todas as regiões do país, com o R(t) a nível nacional a chegar a 1,00.

PCP: “Não tem havido grande evolução” nas negociações com o Governo sobre o OE2022

Segundo Jerónimo de Sousa, o partido transmitiu a Marcelo Rebelo de Sousa a importância de o orçamento do próximo ano ter incluídas medidas essenciais, nomeadamente de valorização dos salários, das reformas e das pensões, reforço da rede de creches e dos serviços públicos.
Comentários