Madeira: Rita Andrade volta ao Executivo regional para assumir pasta da Inclusão Social e Cidadania

Rita Andrade tinha deixado o Executivo regional depois das últimas eleições regionais e estava neste momento a presidir o Instituto de Administração da Saúde.

Terminado o ciclo autárquico, o Governo Regional volta a fazer mudanças na orgânica do Executivo madeirense. Rita Andrade voltou ao Executivo liderado por Miguel Albuquerque para a pasta da Inclusão Social e Cidadania, substituindo Augusta Aguiar.

Rita Andrade tinha deixado o Executivo regional depois das últimas eleições regionais e estava neste momento a presidir o Instituto de Administração da Saúde.

“O Presidente do Governo Regional expressa o seu público reconhecimento à Dra Augusta Aguiar, que deixará o lugar, pela sua dedicação, empenho e disponibilidade ao serviço da causa pública, o que em muito contribuiu para o sucesso das políticas do executivo”, refere o Governo Regional em nota de imprensa.

Neste reajustamento, a área das Políticas Públicas Integradas e de Longevidade passa para a responsabilidade da Secretaria Regional de Inclusão Social e Cidadania.

Para além, ainda, das alterações que se impõem na administração da Investimentos Habitacionais da Madeira, face à eleição do seu presidente para a vereação da Câmara Municipal do Funchal, esta entidade vai passar a estar sob a responsabilidade da Secretaria Regional de Equipamento e Infraestruturas.

Recomendadas

Madeira promove cursos de formação em empreendedorismo agrícola

Estes dois cursos de Empreendedorismo Agrícola em Machio e Porto Moniz ainda têm vagas disponíveis e, para o efeito, os interessados poderão fazer a respetiva inscrição na página da Escola Agrícola da Madeira, pelo telefone 291 145 455 ou ainda para o e-mail escolaagricola@madeira.gov.pt.

Madeira: Taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor foi de 0,3% em setembro

No País, o IPC registou uma taxa de variação de 0,6%, valor superior em 0,1 p.p. ao observado no mês anterior.

Sistema que agiliza controlo de fronteiras alargado aos aeroportos do Porto, Faro e Funchal

O RAPID4ALL, onde o SEF investiu cerca de cinco milhões de euros, já permitiu controlar cerca de 420 mil passageiros desde 2016.
Comentários