Madeira vai ter uma central de armazenamento de eletricidade em baterias

A Siemens afirma que o projeto também contribuirá para a “sustentabilidade da ilha, uma vez que reduzirá a sua pegada de carbono e integrará fontes de produção de energia mais diversificadas”.

A Empresa de Electricidade da Madeira (EEM) adjudicou a um consórcio constituído pela Siemens e pela Fluence, um contrato para a instalação de uma central de armazenamento de energia com baterias, que será integrada num conceito de microrede.

Localizado ao lado da Central Termoelétrica da Vitória, esta central contribui para uma  “maior independência energética e resiliência da rede elétrica” na região, avança a Siemens, através da da utilização de energias renováveis.

De acordo com a empresa, este projeto permitirá à EEM a criação de “condições para que a quota de renováveis no seu mix energético aumente significativamente para cerca de 50%”, levando a uma redução progressiva no consumo de combustíveis fósseis nos próximos dois a três anos, sem que isso afete a qualidade do serviço.

A Siemens afirma que o projeto também contribuirá para a “sustentabilidade da ilha, uma vez que reduzirá a sua pegada de carbono e integrará fontes de produção de energia mais diversificadas”.

Uma nova funcionalidade providenciada à EEM será “a capacidade de blackstart de uma parte da rede de 60 kV, permitindo a restauração dos serviços de rede em caso de uma falha de energia.

De acordo com Stephan May, CEO da unidade de negócios Distribution Systems da Siemens Smart Infrastructure, “As tecnologias de Grid Edge, tais como o armazenamento de energia, desempenham um papel fundamental na descarbonização de ilhas e comunidades remotas” na medida em que “não só permitem a integração de fontes de energia renováveis intermitentes, como também aumentam a flexibilidade e a resiliência da rede elétrica”.

O CEO afirma ainda que “o sistema de armazenamento de energia na Madeira, combinado com as nossas soluções digitais para a gestão inteligente de energia, irá acelerar significativamente a sua transição para um fornecimento de energia sustentável e fiável”.

O Presidente do Conselho de Administração da EEM, Francisco Taboada, informa que o objetivo com a instalação desta central é o de “reduzir o número de geradores térmicos que dependem de combustíveis fósseis e aumentar a penetração de fontes de energia renováveis sem correr o risco de apagões, e ao mesmo tempo garantir uma regulação ótima da frequência do sistema elétrico da Madeira”.

Está previsto que este sistema de armazenamento de energia tenha a capacidade 22,5 MVA/ 15,6 MWh e será executado em regime de chave de mão.

A Siemens compromete-se a assegurar a “total integração do sistema de armazenamento de energia na rede elétrica da ilha” e a manutenção dos equipamentos e sistemas fornecidos durante os próximos 10 anos.

O sistema de armazenamento de energia deverá começar a operar no segundo trimestre de 2022.

Recomendadas

Mercado automóvel sobe 3,3% até novembro, mas cai face a 2019

“Nos 11 meses de 2021, foram colocados em circulação 163.944 novos veículos, o que representou uma diminuição de 33,1% relativamente a 2019, apesar da comparação com 2020 mostrar um aumento de 3,3%”, indicou, em comunicado, a ACAP.

Covid-19: ANA diz que recuperação do tráfego está nos 50%, mas nova variante pode obrigar a rever previsões

A gestora aeroportuária diz que foi conservadora nas previsões que fez e que, por isso, está a ser surpreendida “pela positiva”, mas admite que a nova variante do SARS-CoV-2 poderá forçá-la a alterar projeções, devidos a possíveis cancelamentos.

UE só exportou metade do valor de produtos de energia verde importados em 2020

O valor das importações de painéis solares e biodiesel foi muito superior ao valor correspondente das exportações dos 27 Estados-membros destes bens para países fora da UE.
Comentários