Madeira vai receber 11 startups internacionais de turismo e lazer

A 3ª edição do ‘Madeira Startup Retreat’ arrancou com a receção de 44 inscrições, com o número recorde de 28 países envolvidos. As portuguesas RipATrip e Siliconbali são duas das suplentes.

O “Madeira Startup Retreat”, programa de aceleração internacional desenvolvido pela Startup Madeira e pelo Turismo de Portugal, em parceria com a Nova SBE, vai receber 11 startups internacionais que atuam na área do turismo e lazer.

Segundo um comunicado do Turismo de Portugal (TP), “durante seis semanas, 33 empreendedores de 13 nacionalidades vão explorar, partilhar e potenciar os seus negócios na ilha da Madeira”.

O mesmo documento acrescenta que a 3ª edição deste programa arrancou com a receção de 44 inscrições, com o número recorde de 28 países envolvidos.

Depois de uma “análise detalhada”, o júri selecionou 11 startups: Local Cave (Brasil); Localie (Holanda); Oveit (Roménia); Pelagic Dive Travel (Austrália); Qwixi (Letónia); Sally Road Trips (Reino Unido); SnowPass (Portugal); SpotAR (Alemanha); Tell The Hotel (Suíça); Wanda Maps (EUA); YouTravel.me (Rússia). Como suplentes, foram indicadas a RipATrip (Portugal); Siliconbali (Portugal); Simbound Game (Roménia); Youcheck.in (Brasil)”, adianta o referido comunicado.

“Queremos tornar Portugal líder do turismo do futuro. Neste momento, em que a era digital se consolida e condiciona a sustentabilidade do setor, o Turismo de Portugal continua focado em criar um ambiente propício à inovação através de diversas iniciativas de apoio ao empreendedorismo. A nossa estratégia tem como objetivo a contínua atualização do tecido empresarial, criando as condições ideais para que ‘startups’ se desenvolvam e afirmem como motor do desenvolvimento do turismo e consequentemente da economia nacional. Com este projeto, estendemos esta dinâmica à Região Autónoma da Madeira, onde o turismo tem uma importância estratégica, com o objetivo de que esta região continue a ser um destino turístico competitivo”, afirma Luís Araújo, presidente do TP.

O TP acrescenta que esta iniciativa tem por objetivo “propulsionar a aceleração das ‘startups’ participantes, o programa está estruturado por temáticas”.

“Ao longo da agenda, os participantes poderão contar com oito ‘workshops’, sessões de mentoria, palestras, um sprint e um demo-day“, adianta o TP, acrescentando que alguns dos participantes convidados pela NOVA SBE para esta iniciativas serão Felipe Ávila da Costa (Infraspeak), Gil Belford (Fever & Lisboa Secreta), Marcelino Moreno (Talkdesk), Patrícia Soares da Costa (Marquinista) e Tiago Baleizão (Sandoz) numa iniciativa que terá como anfitriões o Colégio dos Jesuítas e o inglês como língua oficial.

“Esta terceira edição é a confirmação de que a Madeira tem uma localização ideal, como laboratório vivo, para testes nas áreas do turismo e lazer. O setor do turismo é uma das principais alavancas da economia da região, tem peso económico, representa 26% do PIB regional e grande parte da riqueza produzida advém das atividades associadas a esta área.  No entanto, por ser um setor muito competitivo, é necessário inovar e por isso o Governo Regional estará sempre disposto a apoiar este tipo de iniciativas realizadas pela Startup Madeira, aproveitando os recursos turísticos para internacionalizar a economia, tornando-a mais competitiva”, refere Rui Barreto, Secretário Regional de Economia da Madeira.

Para o TP, “além de trabalharem nos seus produtos e serviços, estes empreendedores terão oportunidades para explorar a Madeira e beneficiar dos momentos lúdicos e de lazer”.

“De forma a agregar a comunidade local, os empreendedores serão ainda acompanhados por cinco local hosts madeirenses, criando diariamente a ligação entre a ‘startup’ e a cultura regional.

A 3ª edição do Madeira Startup Retreat vai decorrer até 21 de fevereiro.

Desde a primeira edição, em 2018, este programa já reuniu na região um total de 29 startups internacionais, 40 mentores e 93 empreendedores, representando mais de 15 nacionalidades.

Ler mais
Recomendadas

Mutualista diz que fusão do Montepio com BCP colide com os interesses dos associados

“O Banco Montepio dispõe de soluções de capital ajustadas às suas necessidades e encontrará o seu próprio caminho de estabilização”, garante a instituição liderada por Virgílio Lima. “Uma fusão desta natureza corresponderia à sua descaracterização, algo que colide com os interesses da Associação e dos associados”, defendem.

Grupo Os Mosqueteiros investe 25,3 milhões para abrir mais seis lojas Intermarché em Portugal

Este investimento irá permitir a criação de 265 novos postos de trabalho de norte a sul do país, asseguram os responsáveis do grupo francês de distribuição.

Tribunal espanhol adia audições dos responsáveis do CaixaBank sobre compra do BPI

Segundo a agência Efe, problemas técnicos impediram a audição telemática do presidente da Criteria e ex-presidente do CaixaBank. O julgamento que está em curso desde 2018 decorre de uma queixa de acionistas minoritários que se sentiram lesados com algumas operações inerentes à compra do BPI em 2017.
Comentários