Maioria das empresas acredita que PRR não terá impacto na sua atividade

Segundo um estudo do ISCTE, realizado para a Confederação Empresarial de Portugal, só 14% das empresas consideram que o Plano de Recuperação e Resiliência poderá ter algum significado.

Um estudo do ISCTE realizado para a Confederação Empresarial de Portugal (CIP) e apresentado esta segunda-feira revelou que a maioria das empresas defende que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) terá pouco impacto na sua atividade.

Durante a apresentação do professor do ISCTE Pedro Manuel Esteves foi referido que, quando questionados sobre o impacto do PRR na empresa, “55% [dos participantes] consideram que não terá significado algum para a atividade da sua empresa”. “Apenas 14% consideram que poderá ter algum significado”, afirmou o especialista.

Relativamente aos apoios do Estado, 79% dos respondentes diz “que essas medidas estão aquém ou muito aquém do que aquilo que era necessário, só 21% é que considera que estão à altura dessas mesmas expectativas”, explicou Pedro Manuel Esteves.

Quanto à burocracia, mais de metade (62%) das empresas acredita que os apoios são processos muito burocráticos, 30% diz que são mais ou menos, 7 % referiram que é pouco burocrático e 2% nada burocrático. Para o professor do ISCTE, os resultados ilustram “bem a imagem que estes processos dos apoios públicos têm junto de quem deles beneficia”.

Sobre os últimos três meses, quando abordados sobre as candidaturas que decorreram neste período, 66% confessou que não se candidatou, enquanto que 34% afirmou que o tinha feito. Dos que se candidataram 66% já teve o apoio aprovado e 32% ainda está à espera.

Pedro Manuel Esteves apontou que 80% das empresas já recebeu os apoios e 20% ainda não e ainda que das 66% das empresas que não se candidatou aos apoios recentemente 44% sublinhou que não preenche os critérios de elegibilidade, 37% disse que não precisava e os restantes ainda se vão candidatar.

O estudo teve um erro amostral máximo de 4,9%. O sector com maior peso nas respostas é a energia, com 46%, outros serviços (24%), comércio (13%= e as atividades imobiliárias (6%). Das empresas que participaram no estudo, 76% são micro e pequenas empresas, 18% médias empresas e 6% de grandes empresas.

Recomendadas

Europa vai ter falta de quase 800 pilotos no próximo ano

A consultora Oliver Wyman concluiu que a Europa é a terceira região do mundo menos afetada pela falta de pilotos de aviação civil, adiantando que a situação é residual em África e na América do Sul.

Lucro da Alibaba cai para 5.874 milhões no primeiro trimestre fiscal

Estes investimentos reduziram os lucros de exploração do grupo em 11% em termos homólogos, tendo afetado também a margem de exploração, que caiu de 23% para 15%.

Governo duplica apoio do programa Apoiar para bares e discotecas

O programa Apoiar foi prolongado na mais recente portaria até 31 de dezembro de 2021. Em caso de quebra na faturação for de 25 a 50% o limite máximo é majorado em 27.500 euros para microempresas e em 67.500 para pequenas e médias empresas.
Comentários