Maioria dos portugueses quer remodelação no Governo. Eduardo Cabrita é o mais apontado para sair (com áudio)

O nome mais apontado para abandonar o Executivo, segundo uma sondagem da Universidade Católica para a RTP e para o jornal “Público”, é o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, que tem somado polémicas ao longo do mandato. O PS continua a ser o partido com a maior percentagem de intenções de votos (38%), dez pontos percentuais à frente do PSD.

Manuel de Almeida/LUSA

Mais de metade dos portugueses querem uma remodelação do Governo, de acordo com uma sondagem da Universidade Católica para a RTP e para o jornal “Público” conhecida esta quinta-feira. O nome mais apontado para abandonar o Executivo é o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, apesar de o Partido Socialista (PS) continuar a ser o partido com a maior percentagem de intenções de votos.

A sondagem do Centro de Estudos e Sondagens de Opinião da Universidade Católica, realizada entre 5 e 7 de maio e contou com 1.123 entrevistas por telefone validadas, revela que 51% dos inquiridos são a favor de que haja mexidas na composição do Governo de António Costa. Desses, 19% acreditam que Eduardo Cabrita não tem condições para continuar a frente do Ministério da Administração Interna.

Em causa está a mais recente polémica com o realojamento dos imigrantes no empreendimento turístico Zmar Eco Experience de Odemira, após um surto de Covid-19 no concelho. A polémica segue-se a outras polémicas que marcam o mandato de Eduardo Cabrita, desde que sucedeu a Constança Urbano de Sousa em 2017, como é o caso do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), das falhas no SIRESP ou as golas antifumo.

No entanto, o primeiro-ministro, António Costa, veio garantir, no debate desta quarta-feira no Parlamento, que mantém a confiança em Eduardo Cabrita. “Quem me dera que o meu problema fosse o senhor ministro da Administração Interna. Significaria que não tenho nenhum problema, porque tenho um excelente ministro da Administração Interna e vivo bem com o ministro da Administração Interna”, disse.

Também a ministra da Saúde, Marta Temido, é outra das sugestões dos inquiridos para a remodelação, com 11% a pedir a sua demissão, pela forma como tem gerido a pandemia da Covid-19.

Apesar das alterações sugeridas à composição do Governo, 92% dos inquiridos acredita que o Executivo de António Costa vai cumprir o mandato até ao fim. Sobre eventuais acordos parlamentares, 55% defendem que o Governo deve manter a situação atual, com negociações pontuais com os partidos, 14% defendem um acordo com o PSD e 13% pedem novos acordos à esquerda.

Em caso de eleições antecipadas, xadrez político ficaria praticamente igual

Se as eleições fossem hoje, a sondagem do Centro de Estudos e Sondagens de Opinião da Universidade Católica indica que o PS voltaria a ser vencedor com 38% das intenções de voto. O partido do Governo fica a mais de dez pontos percentuais de distância do Partido Social Democrata (PSD), que conta com 28% de possíveis votantes. Já o Bloco de Esquerda (BE) fica em terceiro lugar, com 8% das intenções.

Em quarto lugar aparece o Chega, com 6% das intenções de voto (apesar da descida de dois pontos percentuais em comparação com as últimas sondagens), seguido pela Coligação Democrática Unitária (CDU) e pelo Iniciativa Liberal, ambos com 5%. Já o partido Centro Democrático Social (CDS) e o partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) conseguem, cada um, 3% das intenções de voto.

Quer isto dizer que a direita toda junta não ultrapassaria 42% e que, caso houvesse eleições antecipadas, o cenário iria ser praticamente igual ao de agora. Os partidos à esquerda continuariam a ser maioritários e, se houvesse acordo para formar uma nova “geringonça” (com o PS, BE e CDU), essa somaria 51% das intenções de voto. Se essa “geringonça” juntasse ainda o PAN conseguiria 54% de possíveis votantes.

A sondagem revela ainda que o CDS-PP é o partido no qual os eleitores que votaram em 2019 menos repetiriam o voto (42%), seguido o BE com apenas 44% a repetir a votação nos bloquistas. Já o Iniciativa Liberal é o partido no qual os eleitores que votaram em 2019 mais voltariam a votar (78%), seguido pelo PS, com 71% eleitores a admitirem repetir o voto nos socialistas.

Recomendadas
Tiago Barbosa Ribeiro

Tiago Barbosa Ribeiro candidata-se pelo PS à Câmara do Porto (com áudio)

“Eu não faltarei ao Porto. Apresentarei a minha candidatura à Câmara Municipal do Porto na reunião da Comissão Política Concelhia do PS que vai decorrer esta noite”, afirmou.

Venda de barragens da EDP: Movimento assegura ter provas de que negócio está sujeito a impostos (com áudio)

O Movimento da Terra de Miranda diz ter na sua posse “os elementos necessários” que provam que a venda das seis barragens da EDP aos franceses da Engie está sujeito ao Imposto do Selo, IMT e IRC. Em causa está um negócio que ascendeu a 2,2 mil milhões de euros, que foi alvo de suspeitas de “borla fiscal” denunciadas pelo PSD e BE, que devia ter-se traduzido, pelo menos, em 110 milhões de euros em impostos, a entregar às regiões abrangidas pelas barragens do Douro.

Von der Leyen: Certificado Covid-19 aprovado num recorde de 62 dias (com áudio)

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, saudou hoje os responsáveis da presidência portuguesa da União Europeia (UE), Parlamento Europeu (PE) e executivo comunitário por terem conseguido aprovar o certificado digital covid-19 num recorde de 62 dias.
Comentários