“Mais Ajuda”. Já estão escolhidos os finalistas do programa para startups e IPSS de impacto social

Há projetos ‘agrotech’, iniciativas para combater o insucesso e abandono escolar ou tecnologia para que migrantes e refugiados possam aprender e ensinar uma língua/cultura. Os 12 finalistas concorrem a um prémio de 22.500 euros e mentoria da Beta-i.

O “Mais Ajuda”, um programa de apoio ao empreendedorismo de impacto, escolheu os 12 finalistas que irão disputar o pódio nas duas categorias (startups e IPSS – Instituições Particulares de Solidariedade Social). Entre as mais de 700 candidaturas recebidas, foram selecionados projetos que os jurados consideram ser capazes de responder a problemas sociais, o que engloba agrotech, iniciativas para combater o insucesso e abandono escolar ou tecnologia para que migrantes e refugiados possam aprender e ensinar uma língua/cultura.

Promovido pelo Lidl Portugal em parceria com as rádios “Renascença”, “RFM” e”Mega Hits” e a consultora de inovação Beta-i, este programa escolheu seis jovens empresas do norte e centro de Portugal e seis IPSS de Lisboa, que irão disputar os seis lugares de vencedores disponíveis num pitch online, devido à pandemia de Covid-19. O novo coronavírus levou a que o evento final do “Mais Ajuda” fosse também substituído por um programa na Rádio Renascença, a realizar-se no final deste mês de maio.

“O número de candidaturas mostrou-nos que somos um país solidário, atento e empreendedor. E chegamos a esta fase final, com a certeza de que é possível fazer a diferença no mundo em que vivemos e de que, juntos e solidários, seremos capazes de ultrapassar todas as dificuldades”, refere Isabel Figueiredo, adjunta do presidente deste grupo de media, em comunicado enviado às redações.

A diretora de Comunicação Corporativa do Lidl considera que a qualidade das candidaturas apresentadas superou as expectativas do júri, composto ainda por Filipe Almeida (Portugal Inovação Social), Luís de Melo Jerónimo, (Fundação Calouste Gulbenkian) e Pedro Rocha Vieira (Beta-i). b“Tornaram a seleção dos 12 finalistas num ótimo desafio. Estamos a dar novos passos com este projeto, inserido, também ele, num novo contexto social que temos vindo a enfrentar, onde a ajuda ao próximo se torna ainda mais urgente e fundamental”, refere Vanessa Romeu.

Quem são os finalistas que concorrem a um prémio de 22.500 euros e mentoria da Beta-i?

Startups

  • eSolidar (Braga)
  • GiveToU (Lisboa)
  • PixelAgility – Desenvolvimento de Software (Porto)
  • Shimejito (Castelo Branco)
  • Speak (Leiria)
  • The Inventors (Setúbal)

IPSS

  • Acreditar – Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro (Lisboa)
  • Associação Humanidades (Lisboa)
  • Associação Portuguesa de Crianças Desaparecidas (Lisboa)
  • Associação Pressley Ridge (Lisboa)
  • Associação de Socorros Mútuos Mutualista Covilhanense (Castelo Branco)
  • Eu Cãosigo – Intervenções Assistidas por Animais (Lisboa)
Ler mais
Relacionadas

Filipe Almeida: “Filantropia está a evoluir de clássica para estratégica, orientada para projetos inovadores”

O presidente da iniciativa Portugal Inovação Social acredita que, num futuro próximo, só os negócios e as empresas que alinhem estrategicamente o seu propósito económico com o seu impacto social e ambiental serão sustentáveis.

Há “Mais Ajuda” para startups de inovação social e IPSS

O Lidl, em conjunto com o Grupo Renascença Multimédia e a Beta-i, criou um programa de apoio a empreendedores sociais e instituições de solidariedade. Os seis projetos escolhidos recebem 22.500 euros cada e mentoria.
Recomendadas

Segurança Social vai pagar 10,4 milhões de euros aos CTT por serviços postais até 2023

Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social foi autorizado pelo Governo a celebrar um contrato com os CTT para serviços postais, visando o pagamento de prestações familiares, diferidas e sociais, durante três anos. Organismo vai agora iniciar diligências para fechar contrato com CTT.

Vendas do dono do Minipreço cresceram 6,3% no segundo trimestre de 2020

As vendas comparáveis (‘like-for-like’) do grupo de distribuição que opera em Portugal, Espanha, Brasil e Argentina registou um aumento de 14,9% no período em análise face ao segundo trimestre de 2019, “com todos os mercados positivos pela primeira vez desde o 4º trimestre de 2016”.

Lucro da Deutsche Post DHL cresce 15% para 525 milhões de euros no segundo trimestre de 2020

A receita da DHL ascendeu aos 15,96 mil milhões de euros, o que representa um crescimento de 3,1% face a igual período de 2019. Já o lucro operacional melhorou 18,6%, para 912 milhões de euros, entre abril e junho.
Comentários