“Mais Ajuda”. Já estão escolhidos os finalistas do programa para startups e IPSS de impacto social

Há projetos ‘agrotech’, iniciativas para combater o insucesso e abandono escolar ou tecnologia para que migrantes e refugiados possam aprender e ensinar uma língua/cultura. Os 12 finalistas concorrem a um prémio de 22.500 euros e mentoria da Beta-i.

O “Mais Ajuda”, um programa de apoio ao empreendedorismo de impacto, escolheu os 12 finalistas que irão disputar o pódio nas duas categorias (startups e IPSS – Instituições Particulares de Solidariedade Social). Entre as mais de 700 candidaturas recebidas, foram selecionados projetos que os jurados consideram ser capazes de responder a problemas sociais, o que engloba agrotech, iniciativas para combater o insucesso e abandono escolar ou tecnologia para que migrantes e refugiados possam aprender e ensinar uma língua/cultura.

Promovido pelo Lidl Portugal em parceria com as rádios “Renascença”, “RFM” e”Mega Hits” e a consultora de inovação Beta-i, este programa escolheu seis jovens empresas do norte e centro de Portugal e seis IPSS de Lisboa, que irão disputar os seis lugares de vencedores disponíveis num pitch online, devido à pandemia de Covid-19. O novo coronavírus levou a que o evento final do “Mais Ajuda” fosse também substituído por um programa na Rádio Renascença, a realizar-se no final deste mês de maio.

“O número de candidaturas mostrou-nos que somos um país solidário, atento e empreendedor. E chegamos a esta fase final, com a certeza de que é possível fazer a diferença no mundo em que vivemos e de que, juntos e solidários, seremos capazes de ultrapassar todas as dificuldades”, refere Isabel Figueiredo, adjunta do presidente deste grupo de media, em comunicado enviado às redações.

A diretora de Comunicação Corporativa do Lidl considera que a qualidade das candidaturas apresentadas superou as expectativas do júri, composto ainda por Filipe Almeida (Portugal Inovação Social), Luís de Melo Jerónimo, (Fundação Calouste Gulbenkian) e Pedro Rocha Vieira (Beta-i). b“Tornaram a seleção dos 12 finalistas num ótimo desafio. Estamos a dar novos passos com este projeto, inserido, também ele, num novo contexto social que temos vindo a enfrentar, onde a ajuda ao próximo se torna ainda mais urgente e fundamental”, refere Vanessa Romeu.

Quem são os finalistas que concorrem a um prémio de 22.500 euros e mentoria da Beta-i?

Startups

  • eSolidar (Braga)
  • GiveToU (Lisboa)
  • PixelAgility – Desenvolvimento de Software (Porto)
  • Shimejito (Castelo Branco)
  • Speak (Leiria)
  • The Inventors (Setúbal)

IPSS

  • Acreditar – Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro (Lisboa)
  • Associação Humanidades (Lisboa)
  • Associação Portuguesa de Crianças Desaparecidas (Lisboa)
  • Associação Pressley Ridge (Lisboa)
  • Associação de Socorros Mútuos Mutualista Covilhanense (Castelo Branco)
  • Eu Cãosigo – Intervenções Assistidas por Animais (Lisboa)
Ler mais
Relacionadas

Filipe Almeida: “Filantropia está a evoluir de clássica para estratégica, orientada para projetos inovadores”

O presidente da iniciativa Portugal Inovação Social acredita que, num futuro próximo, só os negócios e as empresas que alinhem estrategicamente o seu propósito económico com o seu impacto social e ambiental serão sustentáveis.

Há “Mais Ajuda” para startups de inovação social e IPSS

O Lidl, em conjunto com o Grupo Renascença Multimédia e a Beta-i, criou um programa de apoio a empreendedores sociais e instituições de solidariedade. Os seis projetos escolhidos recebem 22.500 euros cada e mentoria.
Recomendadas

CTT anunciam subida de preços de 1,41% a partir de 1 de junho

Medida vem enquadrada na política tarifária da empresa para o ano de 2020.

Grupo Jerónimo Martins garante zero trabalhadores infetados com Covid-19 na Azambuja

Grupo nacional de distribuição assegura que os testes aos mais de 840 colaboradores que emprega no centro de distribuição da Azambuja deram todos resultados negativos.

Sonae MC afasta possibilidade de infeção dos colaboradores no entreposto da Azambuja

Empresa de distribuição do Grupo Sonae garante que o plano de contingência do entreposto da Azambuja, que está em vigor há mais de dois meses, “está totalmente alinhado com todas as recomendações das autoridades de saúde e atestado pela Direção Geral de Saúde”.
Comentários