Mais de 10 mil pessoas protegidas pelo seguro Covid-19 da Tranquilidade/Generali

O produto destina-se a empresas que pretendem proteger os trabalhadores, sobretudo as que continuam em atividade nos seus edifícios e o risco de infeção é superior. Lançado há 10 dias, foi desenvolvido em parceria com a AdvanceCare e garante um subsídio diário de 100 euros por cada dia de hospitalização por esta doença.

Já são mais de 10 mil as pessoas protegidas com o Seguro Covid-19 da Tranquilidade/Generali, um produto para as empresas que procuram proteção para os seus trabalhadores que venham a testar positivo para o novo coronavírus, em particular aquelas que continuam em atividade nos escritórios e cujos colaboradores estão mais expostos à possibilidade de infeção.

O novo seguro destas companhias, lançado há 10 dias, foi desenvolvido em parceria com a AdvanceCare e dirige-se concretamente a organizações com pelo menos 20 funcionários, garantindo um subsídio diário de 100 euros por cada dia de hospitalização devido à doença Covid-19 durante um período de 10 dias, pagos após o sétimo dia de internamento.

O produto, que está em comercialização até terça-feira da próxima semana e custa 19,90 euros por trabalhador, inclui também uma indemnização de convalescença de 3 mil euros paga após a alta hospitalar em unidade de cuidados intensivos e é válido durante 90 dias.

Para a Tranquilidade/Generali, a adesão a este seguro transmite “a confiança necessária para que estes possam continuar a desenvolver a sua atividade, neste momento particularmente difícil” e confirma o “interesse” do tecido empresarial em prestar auxílio financeiro aos seus colaboradores que testem positivo para este vírus.

“À comercialização do seguro está associada uma componente de responsabilidade social com a Tranquilidade/Generali a entregar à Cruz Vermelha Portuguesa 1 euro por cada colaborador seguro”, adiantam ainda as empresas, em comunicado divulgado esta quinta-feira.

Recomendadas

PremiumCore Capital compra SousaCamp por 12,3 milhões de euros

A escritura de venda dos créditos do Novo Banco e do Crédito Agrícola no grupo Sousacamp à capital de risco Core Capital, foi finalmente assinada esta quinta-feira, dia 28 de maio.

Portugal é dos países europeus que mais investe em ‘open banking’, conclui estudo

A oportunidade de melhorar a experiência do cliente foi o maior catalisador dos investimentos, segundo a análise da plataforma sueca Tink.

Crédito malparado de particulares e empresas desce em abril

Em abril, segundo as estatísticas do banco central, o ‘stock’ de empréstimos aos particulares era de 118,7 mil milhões de euros, menos 0,14% do que em março e mais 3,10% do que em abril de 2019.
Comentários