Mais de 300 cientistas exigem que Bruxelas proteja os oceanos como medida contra as alterações climáticas

O documento “Acabe com a sobrepesca” foi entregue ao Comissário da UE para o Ambiente, Oceanos e Pescas, Virginijus Sinkevičius como parte de uma declaração assinada por mais de 300 cientistas que apelam à ação da Comissão Europeia.

Mais de 300 cientistas enviaram uma missiva à Comissão Europeia onde pelam que Bruxelas proteja os oceanos como medida contra as alterações climáticas. Na assinatura do documento constam 30 especialistas portugueses.

Na mensagem “Acabe com a sobrepesca”, que foi entregue Comissário da UE para o Ambiente, Oceanos e Pescas, Virginijus Sinkevičius, esta semana, é pedido “uma resposta urgente e necessária à crise climática e da biodiversidade”.

Os cientistas exigem por isso que a UE estabeleça limites de pesca dentro dos pareceres científicos e reconhecem que “a gestão das pescas baseada nos ecossistemas é crítica para a saúde do oceano e para a sua capacidade de responder às alterações climáticas”.

As assinaturas também serão entregues aos ministros das pescas dos Estados-Membros da UE, antes de serem definidos os limites anuais de pesca para 2021, e aos membros do Parlamento Europeu que estão a preparar a sua resposta à Estratégia de Biodiversidade da UE para 2030. “A sobrepesca e as capturas acidentais são os maiores responsáveis ​​pela perda de biodiversidade no meio marinho”, cita o comunicado as declarações do professor Alex Rogers, diretor de Ciência na Rev Ocean.

“Precisamos de um oceano saudável e produtivo, e acabar com a sobrepesca é fundamental. Isto é ainda mais importante quando nos confrontamos com os efeitos das alterações climáticas, que afetam todo o oceano, incluindo os próprios stocks de peixes. Como cientista, apelo à UE para que reconheça que a gestão das pescas baseada nos ecossistemas é necessária para a saúde do oceano e a sua capacidade de responder às alterações climáticas. É igualmente vital para a saúde humana, incluindo a das gerações futuras”.

Por sua vez, Rebecca Hubbard, diretora de programa da Our Fish, considera que “tal como com a nossa saúde, se continuarmos a agredir o oceano mantendo a sobrepesca, todo o sistema irá sair ainda mais enfraquecido, até deixar de ter capacidade de nos suportar com aquilo de que necessitamos: oxigénio, regulação do clima, alimentação e empregos. A UE tem que parar de arrastar os pés e tomar esta ação clara e decisiva agora, antes que seja tarde demais”

Ler mais
Recomendadas

Nasce na Universidade de Coimbra drone ‘low cost’ para combater lixo marinho

Segundo os investigadores, estas tecnologias permitem identificar, de forma rápida, determinadas categorias de lixo marinho que aparecem na costa portuguesa.

Corticeira Amorim integra grupo de subscritores do act4nature Portugal

Esta é uma ação lançada pelo Business Council for Sustainable Development Portugal (BCSD) que pretende sensibilizar, mobilizar e incentivar as empresas a proteger, promover e restaurar a biodiversidade.

Matos Fernandes participa em debates sobre sustentabilidade e ‘smart cities’

Esta iniciativa insere-se no âmbito do ciclo de conferências ‘Empowering Sustainable Growth’.
Comentários